GTN #4: seriam os anos de 2010, 2011 e 2012, os melhores anos que já vivemos?

 


Você já deve ter se questionado (e muito) sobre como um determinado período foi tão bom. E a gente não consegue definir apenas um momento positivo. Parece uma influência de melhores momentos que aconteciam naquele determinado período. Aqui, me excluo da história. Falo de um âmbito bem geral. Pelo menos, para quem era jovem naquela época. Sites de jogos online cresciam, criando redes interessantes de pessoas e novas comunidades. Na música, o pop nunca esteve tão bem servido de hits que movimentaram muitas pessoas em festas e em aparelhos eletrônicos de músicas que tínhamos em nossas vida, como os saudosos MP3, por exemplo. Na teledramaturgia, novos clássicos apareciam nas nossas televisões, enquanto o entretenimento também tinha seus pontos altos neste período. Mas vamos falar do nosso principal assunto aqui neste site: os automóveis. Nós tínhamos uma grande quantidade de marcas que disputavam posições anualmente, até chegarmos em picos de vendas nunca antes vistos – e que vamos demorar para ver novamente.

 


Em poucos anos, o Brasil deu um salto nas vendas, em especial no período 2007-2012, quando o Brasil bateu alguns recordes de vendas já em novembro. Fomos das poucas mais de 2,4 milhões de unidades de 2007 para cerca de 3,6 milhões em 2012, quando se teve um crescimento mais visível em relação aos anos anteriores. Mesmo assim, não podemos esquecer que o mercado crescia desde 2003, crescendo até 2012. 



Se formos observar a vendas de carros importados, a explosão veio a partir de 2009-2011, quando se saiu das menos de 50.000 unidades de 2009 para cerca de 250.000 unidades de 2011. Em apenas dois anos! Foi um crescimento que se multiplicou por quinto em dois anos. Ou seja, um cenário muito positivo para uma indústria que jamais tinha passado de 120 mil unidades desde 1991, quando a Abeifa possui os dados de vendas de carros importados.

 

 

Comparado com o que temos hoje, é uma realidade bem gritante. Com um mercado que fechou 2020 com quase 2 milhões de unidades vendidas, quase a metade do que tivemos em 2012 (3,6 milhões). Ainda não seja bem a metade das vendas, representa uma retração de 43,04% entre os dois períodos. É um valor significativo para uma indústria. Tanto que é perceptível no ranking abaixo, a quantidade de unidades vendidas que as marcas tiveram entre uma diferença de dez anos de mercado, com o comparativo de 2011 e 2020. É de se assustar a diferença da quantidade de unidades vendidas de uma posição para a outra. Mas isso é um assunto que devemos tratar mais adiante. Agora nos restar apenas lembrar desses momentos com aquela sensação de nostalgia – e, quem sabe, reviver a sensação desse período no futuro. E a minha resposta sobre a pergunta deste título: como um entusiasta automotivo, sem dúvidas - inclua isso também sobre música e entretenimento, por favor!


Kia Cerato: um dos poucos sobreviventes da lista dos importados mais vendidos de 2011 que ainda segue em linha no Brasil | FOTO: Divulgação.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fiat confirma que o futuro interior dos seus carros terão inspiração no clássico Lingotto

Lynk & Co revela um novo teaser do Zero, que será o primeiro veículo 100% BEV da marca

GWM vai produzir primeiro o Haval H6 na fábrica de Iracemápolis (SP) por alguns motivos

Jeep Compass ganha nova geração em algum momento do pós-2025, com base STLA Medium

Stellantis investe em Rennes, inaugura fábrica de baterias e fecha parceria com a Vulcan

BYD lança a linha 2025 do Song Plus no Brasil com bateria maior e estreia por R$ 239.800

Maserati usará motores FPT Industrial para o GranTurismo Folgore, que desenvolve 761cv

GM confirma que carros compactos elétricos e lucrativos vão demorar um pouco mais

XPeng confirma mais um teaser da sua nova marca Mona e do sedã de estreia, o M03

Ford registra imagens de patente de plataforma modular nova para SUVs e picapes elétricos