Lada, Rússia e Renault: conflito na Ucrânia vai prejudicar relação entre Renault e Lada?


Maior marca da Rússia e uma das mais vendidas no leste europeu, a Lada é uma marca que vai sofrer bastante com o conflito provocado pelo presidente da Rússia em relação à Ucrânia. De acordo com as informações deste primeiro mês de invasão russa na Ucrânia, a Lada já se vê em perigo. Com uma série de sanções impostas às empresas russas por uma série de países, a Lada vai sofrer consequências daquilo que nem tem culpa. A marca, gerenciada pela AvtoVAZ, que é de 68% propriedade da Renault Group, teme pelo futuro que a marca vá levar. No início do mês, a Lada parou a produção entre os dias 5, 9 e 11 de março, nas unidades de Togliatti e Izhevsk, ambas na Rússia, por falta de componentes. Um Porta-Voz da AvtoVAZ ainda confirmou que os trabalhadores dessas unidades devem receber salário parcial ou serão demitidos. Atualmente, cerca de 20% de todas as peças que compõem os modelos da Lada vem de produção importada, principalmente recursos eletrônicos. A maior parte das peças vêm de peças produzidas na Romênia, de onde a Renault possui uma unidade que fabrica seus componentes. Só na Rússia, a Lada conta com cerca de 300 concessionárias, além de exportar carros para outros 20 países. 



Outras montadoras também produzem na Rússia e encerram temporariamente as suas produções, pela qual o governo russo confirmou que pode tomar as fábricas e nacionaliza-las, algo que é de propriedade privada. Com isso, a Renault Group teme muito o destino da Lada. Ameaçada pelos russos, os franceses não querem deixar de produzir na unidade por temer uma nacionalização da AvtoVAZ e são poucas as chances do grupo francês querem vender suas ações da marca. Em 21 de março, a Renault Group decidiu por voltar a produzir na unidade de Moscou, da Renault, de maneira parcial. Isso porque foi confirmado que entre os dias 21 a 25 de março, a produção seria menor por conta da falta de semicondutores. Essa unidade voltou a parar já no dia 23 e confirmou que avalia as opções disponíveis de o que fazer com os 68% de participação da Lada Auto Holding. Junto a tudo isso, o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, fez um apelo para que as marcas francesas, de vários setores, que ainda atuam na Rússia, que deixem de operar no país. Entre a Renault e a Lada, existem cerca de 45 mil funcionários e ambas detêm cerca de 30% das vendas do mercado russo, além de representar cerca de 8% dos lucros da Renault Group em 2021. Sem a Renault, a AvtoVAZ precisaria de alguns meses ou até mesmo anos para se recuperar financeiramente, caso os franceses optem por vender as ações da marca. É, se não houver uma definição dessa invasão sem necessidade por parte da Rússia, a Lada corre sérios riscos. 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

RAM reajusta os preços de Rampage, 1500, 2500 e 3500 no Brasil, em até R$ 5.000

Ford desenvolve um SUV elétrico de 7 lugares que será apresentado em meados de 2025

Fiat reajusta os preços da Toro em versões com motor T270, com cortes de até R$ 10.000

Nosso novo Peugeot 2008 será igual ao modelo europeu, recém reestilizado; terá motor T200

Alfa Romeo surpreende e confirma nome Milano para SUV subcompacto que estreia em abril

Nio ET5 Touring é a primeira station wagon da marca; estreia na China de olho na Europa

Lamborghini comemora aniversário de 60 anos de Sant'Agata Bolognese e revela três séries

Chevrolet Camaro ganha séries especiais Collector's Edition e Garage 56 Edition nos EUA

Jetour apresenta o X90 Plus no Salão do Automóvel de Guangzhou, que é reestilizado

Ferrari apresenta a SF90 XX Stradale e Spider na Europa, com motor híbrido de 1.030cv