Porsche testa sistema bidirecional de carregamento com o Taycan, com a rede elétrica


A Porsche confirmou que testa o sistema bidirecional das baterias do Taycan, que podem receber as novidades para o futuro da marca. Os Taycan e Taycan Sport/Cross Turismo vão poder fornecer energia de volta à rede elétrica pública. Como parte de um conjunto mais amplo de veículos, eles poderiam atuar efetivamente como uma usina de energia e ajudar a fornecer o que é conhecido como energia de balanceamento – energia elétrica que equilibra as flutuações na rede elétrica. A Porsche realizou um teste piloto realista realizado pela Porsche, a operadora de rede TransnetBW e a empresa de consultoria Intelligent Energy System Services (IE2S), demonstrou que a energia de balanceamento elétrico pode ser armazenada nas baterias de alta tensão de um enxame inteligente de carros elétricos. Cinco unidades do Taycan de produção em série foram conectadas à rede elétrica através do Porsche Home Energy Manager (HEM), tanto em ambiente doméstico quanto em condições de laboratório. Especialistas da Porsche Engineering já haviam adaptado o software desses centros de controle de antemão para o teste de campo. 



“A tecnologia de carregamento do Porsche Taycan e nossos produtos Home Energy Manager e Mobile Charger têm muito potencial para o futuro: o teste piloto provou isso. E o mercado de energia de balanceamento não é a única coisa para a qual um sistema de pooling desse tipo pode ser usado. Soluções avançadas para carregamento verde e outras aplicações do veículo à rede também são concebíveis. E isso não é tudo: se os veículos elétricos fornecerem energia elétrica de volta à rede no futuro, por exemplo, com um sistema fotovoltaico privado, contribuindo para a expansão da energia regenerativa, aumentará ainda mais a aceitação da mobilidade elétrica”, diz Lutz Meschke, Vice-Presidente do Conselho Executivo da Porsche AG. Com a expansão das energias renováveis, o balanceamento de energia se tornará ainda mais importante no futuro para a operação segura da rede. Isso ocorre porque a rede elétrica deve ser sempre estável, mesmo que o vento e o sol nem sempre estejam produzindo quantidades consistentes de energia. Se as redes elétricas não estiverem estabilizadas em uma frequência de energia constante de 50 Hertz, existe o risco de cortes de energia. Até agora, as usinas convencionais, em particular, foram responsáveis ​​por amortecer essas flutuações. Usar baterias de alta tensão como amortecedor seria uma situação vantajosa para todos: os motoristas de carros elétricos poderiam ser compensados ​​financeiramente por sua contribuição para equilibrar a energia. “Um verdadeiro marco mensurável: a equipe do projeto conseguiu implementar a complexa infraestrutura de comunicação entre nosso sistema de controle e vários veículos elétricos. Ao mesmo tempo, as especificações rigorosas para armazenamento e fornecimento de energia de balanceamento foram atendidas. Isso nos permitirá integrar a eletromobilidade na rede elétrica inteligente do futuro”, explica o Dr. Rainer Pflaum, CFO TransnetBW.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fiat confirma que o futuro interior dos seus carros terão inspiração no clássico Lingotto

Ford traz novo lote da Ranger Raptor com mais equipamentos de série e custa R$ 466.500

Jaguar-Land Rover quer construir uma inédita fábrica de bateria para elétricos no Reino Unido

Suzuki Invicto aparece na Índia como rebadge da Toyota Innova e espaço para até oito

BMW revela as novas imagens teaser do M5 e M5 Touring, que vão ter mais de 700cv

Toyota lança o RAV4 com motor híbrido plug-in (PHEV) de 306cv no Brasil, por R$ 399.990

RAM reajusta os preços da Classic e diminui os preços da picape em até R$ 35.000

Volkswagen T-Cross com reestilização chega ainda neste primeiro semestre de 2024

Nio revela primeiro teaser da sua nova marca, a Onvo, que estreia com o SUV elétrico L60

Galaxy apresenta na China o seu sedã L6, que estreia como um PHEV com motor de 390cv