Toyota, Daihatsu, Subaru e Suzuki se unem para pesquisar combustíveis sintéticos e hidrogênio


A Toyota confirmou a reunião de marcas e empresas para o desenvolvimento da Associação de Pesquisa de Inovação em Biomassa para Combustíveis de Automóveis de Próxima Geração. Se uniram as empresas: ENEOS Corporation (ENEOS), Suzuki Motor Corporation (Suzuki), Subaru Corporation (Subaru), Daihatsu Motor Co. Ltd. (Daihatsu), Toyota Motor Corporation (Toyota) e Toyota Tsusho Corporation (Toyota Tsusho). Essa associação entre as empresas mencionadas vai focar seus estudos em otimizar o processo de produção de combustível. De acordo com as empresas, é crucial fornecer diversas opções de energia para atender às necessidades de muitas regiões e clientes diferentes, a fim de alcançar a neutralidade de carbono. Hidrogênio e combustíveis sintéticos à base de eletricidade de fontes renováveis ​​de energia, bem como bioetanol combustível capaz de reduzir as emissões de CO2 através da fotossíntese em plantas são opções promissoras, e sua eficácia foi confirmada pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC). No entanto, é fundamental esclarecer as questões e buscar uma solução quanto à redução de emissão de CO2 e implementação social em todo o processo de fabricação, além da aquisição de matéria-prima para qualquer um desses combustíveis. 



Esta Associação de Pesquisa promove pesquisas tecnológicas sobre o uso de biomassa, bem como a produção eficiente de bioetanol combustível para automóveis através da circulação otimizada de hidrogênio, oxigênio e CO2 durante a produção para alcançar uma sociedade neutra em carbono. As áreas de pesquisa específicas são as seguintes: 1. Pesquisa sobre Sistemas Eficientes de Produção de Etanol:  Com o objetivo de melhorar a tecnologia de produção do combustível bioetanol de segunda geração que não compete com alimentos, a Associação de Pesquisa irá projetar, instalar e operar instalações de produção, identificar problemas com a produção, pesquisar soluções e estudar formas de melhorar a eficiência dos sistemas de produção. 2. Pesquisa sobre oxigênio de subproduto, captura de CO2 e utilização: A Associação de Pesquisa estudará como usar a alta concentração de oxigênio gerada como subproduto durante a produção de hidrogênio, bem como o CO2 gerado durante a produção de bioetanol combustível. 3. Pesquisa sobre a operação eficiente do sistema geral, incluindo a utilização de combustível: A Associação de Pesquisa investigará as questões envolvidas com o uso de combustível de bioetanol obtido em automóveis e outros veículos e explorará soluções. Também estudará fórmulas de modelo que podem fazer previsões tanto dos volumes de produção de cultivo de matéria-prima quanto dos volumes de produção de combustível e; 4. Pesquisa sobre métodos eficientes de cultivo de matéria-prima: A Organização de Pesquisa desenvolverá um sistema que propõe métodos de cultivo ideais para maximizar o rendimento e otimizar os componentes das culturas para garantir matérias-primas para combustíveis de bioetanol. Terá como objetivo melhorar a precisão das produções das colheitas através de levantamentos da composição do solo e outros métodos.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fiat confirma que o futuro interior dos seus carros terão inspiração no clássico Lingotto

Chevrolet lança a nova S10 no Brasil, que traz atualizações importantes e parte de R$ 247.860

Kia confirma a vinda do EV9 ao Brasil e define estreia para o primeiro semestre de 2024

Eccentrica apresenta o Lamborghini Diablo remasterizado que agora desenvolve 550cv

Mercedes-Benz lança o Classe G 63 AMG Grand Edition no Brasil, por caros R$ 2.247.900

Tank registra novas imagens de patente do 700 Hi4-T no MIIT e confirma uso de motor de 517cv

Fiat Titano vai virar RAM 1200 no México, antecipa teaser; picape ganhará quarto logotipo

GWM adiciona caminhões elétricos para fazer entregas de peças para concessionárias

GWM registra imagens de patente do Veyron na China, que pode ser da marca Haval ou da Sar

Volkswagen lança Polo Robust, versão voltada ao agronegócio, que chega por R$ 89.290