NEVS está à beira da falência novamente e entra em 'modo de hibernação' na China

Substituta da Saab, NEVS corre risco de falência e demite cerca de 95% da sua força de trabalho na China, em pleno plano de reestruturação dos planos



Desde que a Saab entrou com um pedido de falência como uma fabricante de automóveis em 2011, a marca se arrastou até meados de 2016, quando a NEVS assumiu. Agora, a NEVS parece que também não está com condições muito boas. Em seu plano de hibernação como parte de esforço para reduzir os custos em seu processo de reestruturação, a NEVS assumiu que demitiu 95% dos seus funcionários e seu futuro é bastante incerto.

Sem cumprir com nenhum dos seus planos previstos em 2016, a marca confirmou que crê em oportunidades no futuro, mas confirma que seus desafios nos últimos anos “infelizmente não são temporários”. A marca confirmou que dos seus 320 funcionários, 95% foi demitido e o quadro de funcionários passa a ser de 20 funcionários que vão continuar trabalhando nesse processo de reestruturação. Em comunicado, a empresa confirmou que vem trabalhando para solucionar os problemas, por mais que a dificuldade seja grande.

De acordo com a NEVS, “os sindicatos correspondentes estão sendo realizadas para dar a todos os nossos funcionários o apoio e aconselhamento jurídico para todos os impactados em um processo que estará em andamento nos próximos seis meses.". A CEO da NEVS, Nina Selander, disse que era com muita tristeza que a empresa vá entrar em seu “modo de hibernação, o que significa que seremos forçados a reduzir todos os custos e sofreremos com demissões em todas as áreas da empresa”.

“Nossa decisão surge depois que nossos proprietários, Evergrande, e nossos possíveis investidores não conseguiram finalizar as negociações de acordo com nosso contrato”, destacou ao Autocar Business. Os planos da marca previam o desenvolvimento de um 9-3 EV e planeja produzir anualmente cerca de 220.000 unidades. Em 2019, a Evergrande adquiriu a NEVS, mas em 2021 ela colocou a empresa à venda.

Na época, a marca poderia custar cerca de US$ 1 bilhão, o que já seria interessante para sanar algumas dívidas do grupo chinês. Alguns investidores demonstraram interesse na compra da marca sueca e as negociações tem sido realizadas com empresas dos Estados Unidos e Europa, ou seja, a empresa deixaria de ter capital chinês.



Fotos: NEVS / divulgação

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fiat confirma que o futuro interior dos seus carros terão inspiração no clássico Lingotto

Volkswagen apresenta as primeiras imagens teaser de um possível Golf GTI Edition 50

Ford tem desconto de R$ 17 mil para a Ranger; Maverick, Bronco Sport e Transit tem promoção

Toyota registra imagens de patente de câmbio manual que simula de 14 marchas no USPTO

BMW lança promoção adicional para iX1 e iX no Brasil até o próximo dia 31 de maio

BMW cogitou produzir 50 unidades da Z4 Touring Coupé Concept, mas desistiu do projeto

MINI revela imagens teaser do desenvolvimento da condução com uso de óculos VR

BMW revela as novas imagens teaser do M5 e M5 Touring, que vão ter mais de 700cv

Jaguar-Land Rover quer construir uma inédita fábrica de bateria para elétricos no Reino Unido

Chery reajusta o preço do Tiggo 5X em R$ 1.000 e Tiggo 7 Sport pode receber primeiro aumento