Ford confirma que estuda produção do Everest na Argentina, na fábrica de General Pacheco


A Ford confirmou nas entrelinhas que mais um modelo será produzido na unidade de General Pacheco, na Argentina. O modelo em questão pode, muito provavelmente, ser o novo Everest. O SUV da Ranger pode ser o segundo modelo feito na Argentina, depois da unidade passar a produzir apenas a Ranger nos últimos anos. A informação foi confirmada durante o Agrishow, quando a Ford esteve com o CEO da Ford para a América do Sul, Daniel Justo. Ao comentar sobre a produção da nova Ranger na Argentina, o executivo confirmou que “a planta de Pacheco será focada na Ranger e derivados dela”, ou seja, um segundo modelo será feito na unidade. Ao ser perguntado se a escolha recairia sobre o utilitário esportivo de até sete lugares, Justo disse que “o Everest está em estudo e negociações para ser produzido [na Argentina]”. Visualmente, o Everest ganha uma certa independência da Ranger em seu design, pelo menos na dianteira. Ele possui faróis com a mesma forma braquete da F-150, com luzes diurnas em LED em “C” e duas barras cromadas chamam atenção ao invadir a peça, trazendo o logotipo da Ford no centro da grade dianteira. A grade dianteira também é maior e possui uma grelha que muda de acordo com cada versão. O para-choque dianteiro possui desenho suavizado, tendo um para-choque dianteiro diferente e menos bruto que da picape. Os faróis de neblina contam ainda com um novo desenho, tendo um nicho bem menor. 



Os faróis de neblina ainda possuem um formato menor, tendo um pequeno friso na parte superior e uma nova entrada de ar inferior, tendo um acabamento prateado abaixo da entrada de ar. O capô dianteiro tem linhas mais musculosas, contando com dois ressaltos mais aos extremos Nas laterais, a picape se destaca por contar com um capô alto e mantém o acabamento plástico no para-lama dianteiro, que geralmente identifica a versão do SUV. O desenho das portas e das janelas lembra o Everest atual, mas traz um desenho em posição intermediária das portas. Há ainda maçanetas cromadas e um friso cromado abaixo das janelas, mesmo acabamento visto no rack do teto. Na traseira, o SUV ganha novas lanternas horizontais com iluminação em LED e que recebem um acabamento em preto brilhante que traz o nome Everest escrito por extenso e o logotipo logo acima desta barra, ficando entre este e o vidro traseiro. A tampa do porta-malas ainda possui um espaço para a placa e o para-choque traseiro possui refletores verticais em um acabamento com plástico preto, nas extremidades do para-choque. Assim como no para-choque dianteiro, há um pequeno friso que conecta os dois refletores. No interior, a Ford trouxe o mesmo painel da nova Ranger. Aqui, ele poderia compartilhar ainda a mesma mecânica com a Ranger, com o 2.0 EcoBlue Turbo Diesel de 180cv ou 213cv de potência, sendo essa última configuração com torque de 50,9kgfm. Há ainda o motor 3.0 V6 Turbo Diesel de 253cv de potência e 60,8kgfm que também deve ser usado como opção topo de linha em alguns mercados, sempre com câmbio automático de 10 marchas e a tração que pode ser 4x2 ou 4x4. Em nosso mercado, os preços poderiam ficar entre R$ 350.000 a R$ 450.000.


Fonte: Motor1 Brasil

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Chery desenvolve a chegada do eQ1 ao mercado brasileiro, candidato a elétrico mais barato

Renault vai trazer 1º lote de 500 unidades do Kwid E-Tech Electric a partir de agosto

Volkswagen desenvolve um Polo Hybrid com motor eTSI, que chega na reestilização

Volvo abre pré-venda do novo XC40 Recharge Electric P6, com motor de 231cv, por R$ 309.950

Surgem projeções de como pode ficar o Renault 'StepWay', que estreia no Brasil em 2023

Chery fecha fábrica de Jacareí (SP) até 2025, quando retoma produzindo híbridos e elétricos

Com fechamento da fábrica, Chery Tiggo 3X sai de linha e Arrizo 6 virá importado da China

Site confirma a escolha da Fiat para o nome do SUV oriundo do Projeto 376: Fastback

Jeep confirma o lançamento da Gladiator para breve no Brasil; picape terá motor 3.6 V6

Kia Soul ganha reestilização nesta terceira geração e traz mais tecnologia, no exterior