CAuto #84: Audi inova em quase todos os sentidos, mas esquece de um nome para o e-tron


A Audi apresentou um carro cheio de novos atributos. O e-tron se tornou o primeiro carro 100% elétrico da Audi, com dois motores elétricos com baterias de 95kWh, que permitem ao e-tron rodar 402km de autonomia, mas sem definir o padrão, europeu ou norte-americano. Os motores elétricos impulsionam cada um, um eixo diferente do carro. Juntos eles desenvolvem 365cv de potência e 67,3kgfm de torque, podendo chegar a 414cv de potência com o OverBooster. Segundo a Audi, ele acelera de 0 a 100km/h em 6 segundos e tem a velocidade máxima limitada eletronicamente a 200km/h. Ele não conta com retrovisores externos convencionais e sim câmeras digitais de alta resolução. No interior, destaque para o volante de quatro raios, além de ser um SUV possui cinco telas no seu interior e percebe-se que a versão de produção não deve ter retrovisores e sim câmeras em seu lugar. As imagens captadas devem ser projetadas em uma das cinco telas do carro. No SUV, uma tela OLED de 7 polegadas devem servir a função do espelho. “Beleza, mas como o carro se chama, Audi?”, “E-tron!”, “como assim, e-tron?”. Tanta inovação no SUV para chama-lo de... e-tron? Seria o mesmo que apresentar o futuro SUV compacto da Volkswagen de TSI. Volkswagen TSI. O nome e-tron remete à versões elétricas de carros, como A3 e R8 e-tron, não seria um nome forte. Não seguiu sequer a tendência da Audi, que seria a letra “Q”, que no caso seria Q6, ficando entre o Q5 e o Q7, seguindo assim o caminho da Jaguar com o I-Pace, E-Pace e F-Pace, mesmo o I-Pace sendo 100% elétrico e os outros dois movidos a combustão. Não, a Audi quis nominar de e-tron. Como se não tivesse mais nenhum outro carro elétrico a ser lançado. Se formos mais críticos aos analisar o batismo do carro, os novos elétricos da Audi devem ser chamados de que? E-tron 2, 3 e 4? Se quisera criar uma designação especial para os carros elétricos, porque não investir como as rivais BMW e Mercedes-Benz com os modelos i3 e i8 da BMW “i” e EQC da Mercedes da “EQ”. Ficaria praticamente o mesmo que chamar: “ah, o Mercedes AMG aquele”; “qual?”; “o AMG!”, sem lembrar que a sigla pode representar tanto o Classe A como o AMG GT. Ou até mesmo dentro da própria Audi. “Comprei o e-tron!”; “ah que legal, o A3 elétrico? Meu sonho é o R8 e-tron”. Pode parecer bobagem, mas é a identidade de uma nova filosofia dentro da marca e batizar o carro de um nome tão sem graça como e-tron pode não ser a escolha certa, visto a concorrência. Mas só o futuro pode nos provar o contrário. No mais, bem-vindo, Audi e-tron (argh). 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fiat confirma que o futuro interior dos seus carros terão inspiração no clássico Lingotto

Volkswagen apresenta as primeiras imagens teaser de um possível Golf GTI Edition 50

Ford tem desconto de R$ 17 mil para a Ranger; Maverick, Bronco Sport e Transit tem promoção

Toyota registra imagens de patente de câmbio manual que simula de 14 marchas no USPTO

BMW lança promoção adicional para iX1 e iX no Brasil até o próximo dia 31 de maio

MINI revela imagens teaser do desenvolvimento da condução com uso de óculos VR

BMW cogitou produzir 50 unidades da Z4 Touring Coupé Concept, mas desistiu do projeto

BMW revela as novas imagens teaser do M5 e M5 Touring, que vão ter mais de 700cv

Jaguar-Land Rover quer construir uma inédita fábrica de bateria para elétricos no Reino Unido

Chery reajusta o preço do Tiggo 5X em R$ 1.000 e Tiggo 7 Sport pode receber primeiro aumento