GTN #5: o medo e o golpe chamado Inovar-Auto contra os carros importados


Há males que vem para bem, já diria o famoso ditado popular. Mas nem sempre, males, vem para bem. As vezes ele vem para destruir mesmo. Partindo do pressuposto das temáticas que estamos trabalhando aqui no Conexão Automotiva GTN, o Inovar-Auto é um desses tipos de males que vem para destruir. Pelo menos para os carros importados. A ideia tosca de colocar um imposto de importação 30% do que já era cobrado acionou cobranças de vários países e chegou até mesmo à Organização Mundial do Comércio, a OMC. Mercados como União Europeia e Japão chamaram a atenção da organização sobre esse IPI que não permitia que o consumidor pudesse ter um livre comércio e o seu livre direito de escolha entre automóveis – atitude que permanece até hoje assombrando os carros importados e que é um dos motivos que derrubaram as vendas desse setor no país. E não, em nada tem a ver com os nossos carros nacionais. Mas não seria mais plausível criar medidas que permitissem que os carros nacionais estivessem no mesmo patamar de interesse do consumidor ao invés de querer quebrar o setor dos importados? Não seria mais inteligente o mercado se adequar ao mesmo padrão internacional e enfim fazer, o Brasil, ser um polo exportador? Eu acredito que a reposta você tenha em mente. Desde 2012, se passou por três governantes dessa nação que nada o fizeram para criar medidas que façam que o Brasil seja um mercado que consiga driblar seus problemas quanto a exportação, principalmente enquanto ninguém se ligar para o Custo Brasil.

 


Em 2011, o Brasil chegou ao pico de 250 mil unidades de carros importados à venda aqui. Um número nunca antes alcançado, muito pelo interesse do consumidor por modelos mais bem construídos, equipados, com um bom custo/benefício e que despertavam a atenção do mercado. Naquele ano, Volkswagen Gol, Fiat Uno, Chevrolet Celta, Volkswagen Fox e Fiat Strada foram os cinco modelos mais vendidos. Sinceramente? Em relação aos cinco carros importados mais vendidos do mesmo ano, Hyundai i30, Kia Cerato, Kia Soul, Hyundai ix35 e JAC J3, era uma diferença bem gritante. E não é de se espantar que o consumidor passasse a querer ter um carro importado, nem que o mais acessível possível. Eram mais equipados que os nacionais – até mesmo os modelos equivalentes em segmentos. Mas, o IPI veio e acabou com um mercado que poderia forçar as marcas nacionais a desenvolverem seus produtos com mais qualidade com o Inovar-Auto. O abalo foi grande. Em 2012 já teve reflexos nas vendas dos principais carros importados vendidos no país.

 

 

Se o abalo entre os carros já foi grande em alguns exemplos, entre as marcas a situação fica ainda mais difícil. Para quem ficou, o abalo já era certo. Mas teve casos de saída do nosso mercado, ou seja, a situação é mais agravante. A marca mais vendida, entre os importados na época, a Kia, é um dos exemplos disso. Em dez anos, a marca perdeu 92,6% das vendas! É muito em questão de uma década. São coisas que acabam com toda uma logística, com redes de concessionárias, investimentos, quadro de funcionários e uma série de fatores que acaba gerando um efeito dominó, como cegonheiros e revendedores. No entanto, não foi a Kia que mais perdeu mercado no país. A Dodge, Effa, JAC e Lifan também perderam ainda mais. E esse reflexo começa com o Inovar-Auto. Não o bastante, o nosso mercado sofreu com uma debandada de marcas, tais como: Morris Garage, Smart, Aston Martin, Bentley, Rely, Shineray, Hafei, Jinbei, Changan e Geely. Ufa. Muitas, não? Mas não foi apenas o Inovar-Auto não. O mercado caiu nas vendas durante a vigência do programa, tanto que o Brasil passou de 3,6 milhões em 2012 para cerca de 1,9 milhão de unidades em 2016. As vendas até voltaram a crescer, mas a pandemia trouxe os números novamente para esse patamar.

 

 

Mas inegavelmente que tudo isso começou com uma medida burra do Governo Federal (que se mantém até hoje com alguns resquícios dessa medida protecionista, como o IPI para importados, que permanece alto), que quis proteger a nossa indústria de um mercado que não chegava a 10%. Mais precisamente ficava em menos de 7% do mercado, ou seja, era um nicho e que dificilmente iria "matar" a nossa indústria, como as alarmantes medidas fizeram. Tanto que Zeca Chaves, jornalista, e o professor de Relações Internacionais da Universidade Federal do Pampa (Unipampa), Rodrigo Kotz, destacam no episódio cinco do GTN, que você confere abaixo.

 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BYD apresenta novidades para o T3, que chega com nova bateria por R$229 mil

Chevrolet Tracker PcD volta a ser vendido em breve, mas com mudanças de conteúdo

Curiosidades: por que o disco de freio parece com ferrugem mesmo sendo novo?

Reestilização do Volkswagen Jetta chega até 2022, com o inédito motor 1.5 TSI

Porsche apresenta oficialmente a Taycan Cross Turismo na Europa, com até 625cv

Novo Mercedes-Benz Classe C 63 AMG deve contar com motor 2.0 Turbo Hybrid EQ Power

Volvo C40 é o XC50 que tanto se comentava; elétrico estreia como SUV cupê

Substituta da versão XRS, Toyota traz o Corolla GR-S, que estreia por R$151.990

Nissan Kicks é reestilizado no mercado brasileiro e chega a partir de R$90.390

Retrômobilismo#102: Envemo Camper, um utilitário esportivo valente e trilheiro!