Nissan confirma que produção global do Ariya será novamente prejudicada em 2023

Nissan confirma que alta demanda e falta de componentes ainda vão afetar a produção do seu SUV elétrico, o Ariya, que terá uma produção limitada neste ano



A Nissan confirmou que a produção do Ariya deve ser limitada no mercado internacional durante este ano de 2023. A informação foi confirmada pela marca japonesa, que ainda vai continuar sofrendo com a falta de componentes essenciais como semicondutores, o que vai limitar a produção do SUV elétrico. De acordo com informações do Automotive News, os Estados Unidos será o mercado que mais vai sofrer com a falta de tais componentes.

O SUV elétrico da marca japonesa terá esse restrição após a confirmação do National Automobile Dealers Association (NADA), dos concessionários da marca nos EUA. A informação é que cerca de 6.000 unidades foram enviadas aos EUA no ano fiscal de 2022, que terminou em março deste ano. “Cada revendedor estava dizendo quantos clientes eles têm esperando ou querendo pedir um”, disse o Presidente do Conselho Consultivo de Revendedores da Nissan, Tyler Slade, ao site.

Segundo informações do Vice-Presidente de Vendas e Operações Regionais da Divisão Americana da Nissan, Judy Wheeler, confirmou que a marca estaria sofrendo não só com os semicondutores, mas também com a falta de equipamentos para a fabricação da bateria. "Estamos apenas na fase de lançamento deste veículo. À medida que o estoque aumentar, reavaliaremos nossa posição [com base] no ponto em que estamos no mercado e na dinâmica", disse Wheeler. Ainda em março deste ano, a produção do SUV ainda sofreu com uma parada na linha de produção de Tochigi, norte de Tóquio, no Japão.

Com uma produção 30% abaixo do planejado, a Nissan ainda sofreu com problemas na linha de fabricação. A Agência Reuters confirmou que o SUV teve um defeito nos robôs autônomos. Como é produzido na mesma linha de produção de veículos a combustão, a fábrica precisa de uma complexidade ainda maior para conseguir produzir carros de diferentes fontes de energia. A Nissan decidiu por isso ao invés de ter uma linha de produção puramente elétrica, o que para muitos é visto como um erro, por tornar o processo mais custoso.

Na época, por dito que “a Nissan está fazendo um esforço total e diligente para recuperar totalmente a capacidade de produção na fábrica”, confirmou a montadora. De acordo com a marca, a produção em março deste ano foi de 6.900 unidades, sendo que 5.200 unidades feitas em abril, por conta dos problemas. Isso indica que a japonesa novamente terá uma tiragem bem abaixo do esperado para o Ariya em 2023, que será de 100.000 unidades no ano. 



Fotos: Nissan / divulgação

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alfa Romeo surpreende e confirma nome Milano para SUV subcompacto que estreia em abril

RAM reajusta os preços de Rampage, 1500, 2500 e 3500 no Brasil, em até R$ 5.000

Lamborghini comemora aniversário de 60 anos de Sant'Agata Bolognese e revela três séries

Ford desenvolve um SUV elétrico de 7 lugares que será apresentado em meados de 2025

Fiat reajusta os preços da Toro em versões com motor T270, com cortes de até R$ 10.000

Chevrolet Camaro ganha séries especiais Collector's Edition e Garage 56 Edition nos EUA

Nio ET5 Touring é a primeira station wagon da marca; estreia na China de olho na Europa

Nosso novo Peugeot 2008 será igual ao modelo europeu, recém reestilizado; terá motor T200

Ferrari apresenta a SF90 XX Stradale e Spider na Europa, com motor híbrido de 1.030cv

Toyota dá a entender que o Celica pode ressurgir como cupê esportivo criado pela GR