Retrômobilismo#21: O belo e raríssimo Willys Interlagos veio das pistas para as ruas!


A Willys como você já deve saber, começou a operar por aqui em 1956 junto com a Romi. Mas um dos modelos menos conhecidos e um dos mais emblemáticos (e raros) modelos da marca Willys-Overland. O Interlagos surgiu para o Brasil no segundo Salão do Automóvel que acontece em São Paulo que aconteceu em 1961 e vendas a partir de 1962. Por sugestão de um publicitário e jornalista Mauro Salles, o carro foi denominado Interlagos em alusão ao autódromo paulistano. O Willys Interlagos era o mesmo que Alphine A108, que foi lançado em 1956 e durou até 1963 na Europa. O Interlagos era um dos carros mais leves da época, onde sua carroceria era feita de fibra-de-vidro e pesava apenas 535kg na versão berlineta e 570kg na coupé e conversível. Era vendido apenas sob encomenda nas concessionárias da Willys e vinha em 3 tipos de carrocerias: Coupé, Berlineta e Conversível.


Porém o mais conhecido até hoje é a Berlineta e são raros os coupés e conversíveis rodando pelo país. A fábrica de onde saía do Interlagos ficava no bairro paulista do Brás, mas depois mudaria para o bairro Santo Amaro, ambos filiais da Willys, que ficava em São Bernado do Campo, no ABC paulista. Pequeno, o Interlagos media 3,78m de comprimento, 1,45m de altura e 2,10m de entre-eixos. O motor era o mesmo do Dauphine, um 845cc ou um 0.9 que rendia 32cv no coupé e 42cv no conversível e no Berlineta. Além deste tinha o 904cc (0.9) que rendia 56cv de potência e o 998cc ou o Interlagos 1.0 que rendia 70cv (Exclusivo da berlineta). Tinha tração traseiros, câmbio de quatro marchas e suspensão independente nas quatro rodas com molas helicoidais.


O motor mais potente, o 1.0 que rendia 70cv de potência era mais usado nas pistas e acelerava forte como os demais esportivos da época. Ia de 0 à 100km/h em apenas 14,1 segundos e chegava a 160km/h a 6.500rpms. A suspensão usava braços desiguais sobrepostos, mas na traseira o sistema era de semi-eixo oscilante, como o do Fusca, nada adequado ao uso vigoroso. Um problema particular dessa suspensão era a localização longitudinal da roda, que deixava muito a desejar. O design moderno para a época agradava ao público, com linha de cintura baixa e formato arrendado, que anos depois o deixariam parecidos com os Pumas. Na traseira se destacava a grande grade, que era necessária para refrigeração do motor traseiro. O interior é típico de um esportivo. Tinha bancos individuais, volante de 3 raios, bancos mais baixos. O painel tinha conta-giros, mas não mostrava a pressão de temperatura e do óleo.


Competições
Nas competições que aconteciam na época, o Willys Interlagos competia diretamente com os DKW-Vemag na época, especialmente com o Belcar, que era preparado na época. Tudo isso aconteceu em 1962, quando o Interlagos Berlineta era o primeiro a ir para as pistas com motor acima das 700cc. No Brasil o Interlagos venceu provas como a 500 Milhas de Porto Alegre (RS), em 1963; o GP do Estado da Guanabara, a 500 Quilômetros de Interlagos, a 200 Milhas de Montevidéu (Uruguai), todos em 1964. Entre os pilotos, estavam Émerson e Wilson Fittipaldi Jr., Luiz Pereira Bueno, José Carlos Pace, Bird Clemente, Lian Duarte a Antônio Porto Filho.
Fonte: Best Cars


O "abrasileirado" Alphine A108, mais conhecido como Willys Interlagos durou pouco tempo no Brasil. Lançado em 1962, o Interlagos durou até 1966, sendo um dos carros que menos duraram na época, e vendeu poucas 822 unidades, onde a maioria era do Berlineta, seguido pelo Coupé e pelo Conversível. Apesar de ser muito bonito na época, o Interlagos que era vendido sobre encomenda não era tão barato quanto modelos mais simples como o Fusca. Além disso na época os consumidores não sabiam muito que tipo de carro queriam, pois a indústria automobilística engatinhava e recém estava crescendo. Hoje é fácil encontrar um Interlagos valendo mais de R$80.000 em bom estado, mostrando que é uma jóia da indústria brasileira.

Fonte: Quatro Rodas

No topo: Interlagos Conversível; No meio: Coupé e abaixo o Berlineta

Comentários

  1. Caro Luis Noal, tive o prazer de conhecer a https://www.conexaoautomotivabr.com/ e gostei muito da matéria sobre os Willys Interlagos, constatei que você postou diversas fotos sobre essa jóia esportiva nacional. Dentre as fotos publicadas constatei com orgulho a presença de imagens de minha autoria do meu Willys Interlagos Berlinette 1967 prata feitas em 1969/70 no Rio de Janeiro, gostaria que você coloque o crédito da autoria da foto ao lado das mesmas, seriam a primeira e a terceira na sequência de leitura..! Desde já agradeço a atenção e parabéns pela matéria..!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Beto, claro que sim! Só me passa seu nome completo que adiciono os créditos.

      Excluir
    2. Boa tarde Luis, como lhe falei a foto 1ª e a 3ª fotos são da mesma Berlineta em épocas diferentes, na 1ª ela ainda está com aros 15’ e na 3ª foto vista de cima já com aros de liga/magnésio 13’. Meu nome Paulo Roberto d’Abreu Pereira, Rio de Janeiro, abraços e bom fim de semana!

      Excluir
  2. Boa tarde Luis, como lhe falei a foto 1ª e a 3ª fotos são da mesma Berlineta em épocas diferentes, na 1ª ela ainda está com aros 15’ e na 3ª foto vista de cima já com aros de liga/magnésio 13’. Meu nome Paulo Roberto d’Abreu Pereira, Rio de Janeiro, abraços!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Fiat Scudo chega ao Brasil no 2º semestre, com produção uruguaia e duas opções de motor

NBR é marca brasileira que surge como aposta de buggy e terá fábrica em Pernambuco

Audi lança a linha 2023 de A4 e A5 Sportback com motor híbrido-leve 40 TFSI, de 204cv

Fiat Scudo será vendido nas mesmas versões de Citroën Jumpy e Peugeot Expert, Cargo e Multi

Peugeot 4008 será apresentado em 2022 como um SUV médio cupê com base no novo 308

BMW lança o Série 3 2022, com novidades nas versões 320i, que estreia por R$267.950

Stellantis já testa o Fiat Scudo no Brasil; lançamento vai acontecer ainda em 2022

Volvo abre pré-venda do novo XC40 Recharge Electric P6, com motor de 231cv, por R$ 309.950

Nova Chevrolet Spin não deve ser baseada no Orlando, como era estipulado

Curiosidades: por que o disco de freio parece com ferrugem mesmo sendo novo?