InMetro muda padrão de medir autonomia de elétricos no Brasil e reduz alcance em 30%

InMetro ceifa autonomia dos carros elétricos no Brasil em 30%, movimento único no mundo, a fim de ‘oferecer uma autonomia mais próxima da realidade’



O InMetro acaba de tomar uma medida um tanto quanto curiosa. A entidade passa a reduzir, em média, 30% da autonomia dos carros elétricos no nosso mercado. O movimento é um tanto quanto inédito, no mundo todo. E não é porque nós sempre tenhamos que replicar o que vem de fora, mas a medida parece não fazer muito sentido. Isso porque as montadoras já testam a autonomia dos carros a bateria em condições normais de uso e não rodando a 30km/h.

Com isso, temos carros com autonomias que variam de 250km a quase 700km, o que é ótimo. Mas, agora, o InMetro destaca que passará a usar o PBEV (Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular), em favor do WLTP. O problema do PBEV é que ele reduz em 30% uma autonomia que já é uma média de autonomia de uso. Por exemplo, o Volvo XC40 P6, que tinha uma autonomia de 420km, agora tem 231km no PBEV. O mesmo vale para o Volvo XC40 P8, que tinha autonomia de 418km, que agora é de 305km.

O Nissan Leaf tinha autonomia de 289km, mas agora ele é vendido com autonomia de parcos 192km. O PBEV usa uma metodologia do Rota 2030, chamado de "procedimentos a serem observados para o cumprimento da meta de eficiência energética". A meta do PBEV é que o carro oferece a pior média de autonomia, como se ele estivesse rodando constantemente em velocidades altas, onde a autonomia é prejudicada.

De acordo com Adalberto Maluf, Presidente da ABVE, em entrevista ao Use Elétrico, disse que “a tecnologia dos veículos elétricos ainda é nova para a maioria dos consumidores. Assim, muitos ainda não têm a noção exata de qual o melhor modo de acelerar e frear um carro elétrico de modo a conseguir os melhores índices de autonomia, fazendo bom uso do sistema de regeneração, por exemplo. Acabam por usar o veículo da mesma forma que um modelo a combustão ou pelo entusiasmo aceleram excessivamente e se frustram por obter uma autonomia muito distante daquela informada pelo fabricante”.

“Não conheço ninguém que consiga obter com um carro a combustão no uso do dia a dia os números de consumo em quilômetros por litro apontados pelo Inmetro em testes laboratoriais. Desta forma, no meu entender, esse pênalti de 30% deveria ser aplicado igualmente aos veículos a combustão, e não apenas aos elétricos e híbridos.”, acrescentou o executivo. Ao mesmo ponto, essa medida parece minar o interesse dos consumidores por elétricos. Quem for leigo e quiser um elétrico, verá uma autonomia de 192km como algo ainda mais problemático.



Fotos: Volvo e Chery / divulgação

Comentários

  1. Ledo engano do Sr.Adalberto. Normalmente, consegue-se uma média acima das etiquetas do Inmetro nos carros à combustão, principalmente nas estradas. Isso é o que observei em diversos veículos alugados e utilizados por mais de 2 semanas, nos dois ciclos, urbano e rodoviário.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

RAM reajusta os preços de Rampage, 1500, 2500 e 3500 no Brasil, em até R$ 5.000

Ford desenvolve um SUV elétrico de 7 lugares que será apresentado em meados de 2025

Fiat reajusta os preços da Toro em versões com motor T270, com cortes de até R$ 10.000

Nosso novo Peugeot 2008 será igual ao modelo europeu, recém reestilizado; terá motor T200

Alfa Romeo surpreende e confirma nome Milano para SUV subcompacto que estreia em abril

Nio ET5 Touring é a primeira station wagon da marca; estreia na China de olho na Europa

Lamborghini comemora aniversário de 60 anos de Sant'Agata Bolognese e revela três séries

Chevrolet Camaro ganha séries especiais Collector's Edition e Garage 56 Edition nos EUA

Jetour apresenta o X90 Plus no Salão do Automóvel de Guangzhou, que é reestilizado

Ferrari apresenta a SF90 XX Stradale e Spider na Europa, com motor híbrido de 1.030cv