"Meados de 2024" é quando a GMW vai começar a produzir seus veículos em Iracemápolis

GWM segue com previsão de iniciar a produção nacional em Iracemápolis (SP) a partir de 2024, possivelmente ainda no primeiro semestre do ano que vem



A Great Wall Motors (GWM) segue trabalhando no desenvolvimento dos seus produtos para lançar em nosso mercado. Paralelamente a isso, o grupo chinês trabalha para iniciar a produção nacional a partir de 2024, o que vai acontecer na antiga fábrica da Mercedes-Benz, em Iracemápolis (SP). A unidade fabril está sendo renovada para ampliar a sua capacidade de produção e a GWM novamente confirmou que a produção começa a partir do ano que vem, ao que tudo indica, ainda no primeiro semestre.

A informação foi reconfirmada por meio de Oswaldo Ramos, Chief Commercial Officer da GWM Brasil, que disse que a empresa começa a produzir em nosso país “em meados de 2024”, ao AUTOO. Ao site, Ramos ainda destacou que o primeiro carro a ser feito na fábrica “será um produto que precisa de volume”. Antes de começar a produção, no entanto, a GWM quer aumentar, ao máximo, a quantidade de fornecedores locais para aumentar o nível de nacionalização das peças. Recentemente, o grupo teve uma reunião com Sindipeças.

Ao Automotive Business, James Yang, Chefe das Operações da GWM no Brasil, Frank Hagele, Diretor da Fábrica, e Ricardo Bastos, Diretor de Assuntos Governamentais, disseram que "já temos um fornecedor de logística, ainda precisamos nomear os demais para a área produtiva. Até o meio do ano temos que estar com tudo isso rodando. Foi um contato institucional, mas conseguimos avançar no preparativo de uma agenda.", acrescentou Bastos. Recentemente, Ramos disse em entrevista que a produção pode acontecer com uma outra marca do grupo, a Poer (veja aqui).

Essa marca deve ser específica de picapes, ou seja, o primeiro GWM nacional será uma picape média. “Depois de nos ouvir a matriz se convenceu a seguir nossa proposta e está reformulando a Poer que produziremos aqui, para que tenha diferenciais competitivos em relação às muitas picapes médias que temos no mercado hoje. Não queremos competir com os modelos diesel que hoje dominam este mercado, porque seríamos iguais a todos e só restaria competir em preço. É um tipo de motor que está se tornando muito caro com as leis de emissões e seria ainda mais custoso aliado a um sistema híbrido. Nem o preço do diesel, mais caro do que o da gasolina atualmente, está compensando. Então nossa ideia é oferecer mais economia com o powertrain híbrido e a mesma robustez de uma picape diesel.”, disse Ramos na época.



Fotos: Haval / divulgação

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fiat confirma que o futuro interior dos seus carros terão inspiração no clássico Lingotto

Chevrolet terá Feirão de Fábrica neste final de semana em São Caetano do Sul e promoções

BMW lança novo Série 5 no Brasil, com versão híbrida 530e, que estreia por R$ 574.950

Porsche apresenta seu novo logotipo para comemorar os 75 anos de fundação da marca

Hongqi revela oficialmente a segunda geração do HS3 na China, com motor de até 252cv

BYD tem promoção 'DiaE' neste sábado, 22/06, com Dolphin por R$ 135.300, com bônus

Toyota investe mais R$ 160 milhões na fábrica de Sorocaba (SP) com novo Centro de Peças

Mitsubishi vende até dia 22/06 a L200 Triton, Eclipse Cross e Pajero Sport com promoção

BYD King é o batismo global do Destroyer 05 e chega para colocar Toyota Corolla na mira

Toyota apresenta atualização para o catálogo de versões da Hilux, com fim da versão SRX