Adeus, 2016! Confira lista de quem deixou de ser vendido no país neste ano que se encerra hoje


O ano de 2016 marcou o fim de linha de três automóveis muito conhecidos da maioria dos brasileiros: Chevrolet Classic, Fiat Siena EL e Renault Clio. Ambos produzidos desde os anos 90, o trio marcou o ano de 2016 nas despedidas e lembrou muito o ano de 2013, quando automóveis antiquados também deixaram de ser produzidos em massa.

Chevrolet Classic
A Chevrolet retirou o sedã popular de linha, que foi produzido primeiro no Brasil e depois teve sua produção transferida para a Argentina. Derivado ainda da primeira geração do Corsa Sedan, ele foi lançado em 1996 e chegou a ver o nascimento e a morte de seu substituto, o Corsa Sedan, que foi vendido entre 2002 a 2012. Durante muitos anos o Classic foi o Chevrolet mais vendido do mercado brasileiro. Porém com o tempo nem seu bom custo/benefício consequia trazer novos consumidores. E, desde a chegada da nova família de compactos as vendas do Classic nunca mais foram as mesmas. Desde Janeiro o Classic emplacou 10.023 unidades, sendo 1.728 unidades em Julho. Ele era vendido com motor 1.0 8v Flex que desenvolve 80/78cv de potência com torque de 9,9/9,5kgfm e um câmbio manual de 5 marchas. Entre os itens de série, o Classic só recebeu direção hidráulica, conta-giros no painel e desembaçador traseiro apenas na linha 2016, apresentada em 2015. O sedã popular passou por sua primeira mudança visual em 2000, mas a mudança mais significativa veio em 2011 com o face-lift, que o deixou igual ao modelo chinês.

Renault Clio
Chega o fim de linha o Renault Clio na fábrica argentina de Córdoba. Segundo informações oficiais do site CarsDrive, os funcionários posaram ao lado da última unidade produzida, de número 549.948. Com a apresentação do Renault Kwid prevista para o Salão do Automóvel de São Paulo de 2016, o Clio já não tinha pique de vendas para se manter no portfólio e foi substituído pelo novo hatch. Enquanto a Europa já conhece a quarta geração, o Clio brasileiro ainda resiste na segunda. Vendido por aqui desde 1998, foi destaque ao oferecer na época o duplo airbag de série em todas as versões. Modelo que já chegou a ter até motor 1.6 e bom pacote de equipamentos, só é vendido com o 1.0 de 4-cilindros e 16 válvulas com itens básicos, como ar-condicionado e direção hidráulica. Modelo da segunda geração, o compacto europeu chegou ao Brasil em 1999, sendo feito junto com a minivan Scénic, estão assim em sintonia com a Europa. O airbag duplo de série chamava a atenção na época. Aqui, o Clio teve motores 1.0 8V, 1.0 16V, 1.6 8V e 1.6 16V. O primeiro facelift ocorreu em 2003, quando ganhou o visual europeu e assim pôde reforçar sua posição diante dos rivais nacionais. Ganhou uma versão sedã inédita e teve versões com duas ou quatro portas. Com o passar dos anos, o Renault Clio foi perdendo versões e equipamentos até ser quase que completamente limpo no facelift promovido em 2012, onde a marca francesa apostou na personalização e no baixo consumo para vender o modelo, já bem desatualizado.

Fiat Siena EL
O sedã popular da marca italiana deixa de ser produzido em Betim (MG) depois de 19 anos de produção. Na verdade, segundo o site Autos Segredos, a Fiat não produz mais o Siena EL desde Março, mas a Fiat passou a não aceitar mais pedidos para o sedã nos últimos dias. Consultada, a marca italiana confirmou o fim de linha do Siena EL. No site da marca ele ainda continua sendo oferecido e as últimas unidades do estoque devem ser liquidadas até o final desse ano. O Siena EL nada mais é que a primeira geração do sedã apresentada em 1997 e depois de vários face-lifts e upgrades, chegou ao modelo que era vendido até então. Desde a apresentação da segunda geração do Siena em 2012 que o modelo de acesso começou a perder espaço e nos último mês não passava das 1.000 unidades comercializadas. Segundo a Fiat, o Siena EL representava 30% das vendas do sedã. O EL era vendido com preços que ficavam entre R$36.800 a R$39.610 com motores 1.0 e 1.4 8v Fire Flex respectivamente. Ao longo de seus 19 anos de produção, o Siena teve quatorze versões, seis opções de motor e três de câmbio. No site da Fiat, o histórico de produção do modelo está atualizado somente até 2013. De 1997 até 2013, o Siena teve 1.051.082 unidades vendidas e 831.876 unidades produzidas no Brasil. Vale ressaltar, que durante alguns anos o modelo também foi produzido na Argentina.


Peugeot RCZ
A Peugeot retira de linha mais um de seus automóveis importados no mercado brasileiro. Depois do 308CC ser retirado de linha em 2015, chega a vez do RCZ deixar de ser oferecido no mercado brasileiro. O coupé de linhas musculosas nunca foi um sucesso de mercado e estava no line-up da Peugeot como um carro de imagem, para refinar a imagem da marca do leão. Lançado em 2010 no Brasil, o RCZ recebeu sua última atualização em 2013 quando recebeu algumas novidades no visual como novos faróis, grade, para-choque dianteiro e traseiros, rodas e capô. Bem equipado, o RCZ conta com: novo kit multimídia WIP NAV, com GPS integrado ao painel de tela multifunções de 7 polegadas rebatível eletricamente, em cores e de alta resolução. Conta também com WIP Sound (rádio CD player com leitor de MP3), WIP Plug (conexão USB / iPod + entrada auxiliar), WIP Bluetooth (kit mãos livres),  comando de rádio na coluna de direção e sistema de som de alta fidelidade Hi-Fi JBL, com amplificador de 240W e seis alto-falantes, entre outros. O motor era o competente 1.6 THP de 165cv de potência com torque de 24,5kgfm, acoplado a um câmbio automático de 6 velocidades. O preço era de R$155.090 e algumas unidades ainda restam em estoque.

BMW Z4
Em anúncio realizado recentemente, a própria BMW confirmou o encerramento da produção de seu roadster ainda em 2016, mas soube-se que será neste próximo mês de Agosto. Com sete anos e meio de mercado, o Z4 já está longenvo no mercado e ganhou um face-lift tão discreto que não ajudou muito no rejuvenescimento de suas linhas. A notícia pegou em cheio os fãs da marca e do esportivo alemão. Piorou ainda mais para eles quando a BMW disse que ainda não haverá um substituto imediato. O novo membro da família "Z" da BMW deve ser lançado em meados de 2018 e será o Z5. Este por sua vez deve ser maior, mais potente e mais caro. Ele surge em parceria com a Toyota e seu projeto é tocado há 2 ou 3 anos. Pelo lado da Toyota deve gerar a nova geração do Supra. Detalhes mecânicos ainda são pouco conhecidos, mas há grandes chances de as marcas apostarem em conjuntos híbridos. O lançamento do dois carros deve acontecer por volta de 2018. Com 14 anos de carreira, o Z4 teve duas gerações e colecionou uma legião de fãs por todo o mundo. Com sua saída de linha, seu principal rival, o Mercedes-Benz SLC, deve seguir sem nenhum rival e livre da concorrência da BMW.

Aston Martin DB9
A Aston Martin deu adeus para o DB9. O superesportivo britânico deixou de ser produzido depois de 13 anos no mercado. A empresa do Reino Unido disse que a Aston produziu na semana passada a última unidade do DB9 na fábrica de Gaydon. As últimas nove unidades do DB9 foram concluídos pelo departamento de personalização Q da fabricante. “Adeus a um ícone. Agora, os últimos nove Aston Martin DB9 estão prontos para a inspeção final”, disse a Aston Martin na divulgação das imagens dos nove exemplares em suas redes sociais. O DB9 foi desenhado pelo designer Henrik Fisker e tinha plataforma de alumínio, a mesma usada por Vanquish e Rapide. O motor era o 6.0 V12 que desenvolve 517cv de potência com um torque de 63,2kgfm, acoplado a um câmbio automático de 6 velocidades e com tração traseira. Com esse conjunto o DB9 acelera de 0 a 100km/h em 4,6 segundos e atinge a velocidade máxima de 295km/h. O substituto natural do DB9 será o DB11, apresentado no Salão do Automóvel de Genebra deste ano. O motor do substituto é um 5.2 V12 biturbo que desenvolve 608cv de potência com torque de 71,4kgfm, acoplado a um câmbio automático de 8 velocidades, que acelera de 0 a 100km/h em 3,9 segundos e chega a velocidade máxima de 322km/h.


Honda Civic Si
Lançado em 2014, o Civic Si parece não ter agradado muito os consumidores. Isso porque a marca deixou de importar o coupé esportivo no mercado brasileiro. Com a chegada da nova geração do Civic, o Civic Si deixa de ser oferecido no Brasil e há poucas unidades em estoque. Além disso, não é possível mais importar o coupé no mercado brasileiro. Importado do Canadá, o Si conta com o motor 2.4  de 206cv, acoplado ao câmbio manual de seis marchas, que funciona com tração dianteira, com torque que subiu de 19,2 mkgf do antigo Civic Si para 24mkgf a 4.400 rpm. Segundo a Honda, o Si vai de 0 à 100km/h em 8,1 segundos e atinge a velocidade máxima de 250km/h. O novo Si conta com novidades como a suspensão que consegue aliar boa estabilidade com mais conforto, como faz parte do gosto dos americanos e é composta por uma barra estabilizadora 2 milímetros mais larga que as demais versões do Civic e molas com espirais de 21mm. Entre os itens de série, o Honda Civic Si conta com com seis airbags, controles eletrônicos, sistema multimídia, entradas auxiliares e HDMI e câmera com ré com três ângulos de visão, rodas de aro 18" polegadas diamantadas e a central de entretenimento multimídia que possui tela sensível ao toque (touch screen), interface intuitiva e com som bem refinado. Saudosistas esperavam ansiosos a volta do Civic Si ao mercado brasileiro para combater com o Volkswagen Golf GTI, o maior rival na antiga geração, quando ainda era um sedã. Mas o preço quando comparado ao VW e o motor parecem não ter agradado o consumidor e é raro ver um Civic Si rodando nas ruas. Para piorar, o Honda recebeu competitividade do Subaru WRX, lançado esse ano que conta com mais potência, porém é mais caro. Algumas unidades podem ser encontradas com R$124.900.

MINI Paceman
Tentativa da MINI de roubar clientes do Land Rover Range Rover Evoque Coupé, o Paceman não conseguiu sequer ter o mesmo desempenho comercial que o Countryman obteve. Produzido em Graz, na Áustria, ele deve abrir espaço para a nova geração do BMW Série 5, a ser produzida por lá em 2017. Além disso a marca confirma que diferente do Countryman, o Paceman não deve receber uma segunda geração. Lançado em 2012, o utilitário era uma grande aposta da marca. Afinal, um SUV com pegada esportiva e estilo cupê como Evoque Coupé, não deveria dar errado. No entanto, o Paceman não transmitia a mesma sensação do concorrente e mais parecia um hatch de porte médio do que verdadeiramente um SUV, onde até mesmo chegou a ser comparado com um Cooper anabolizado. No Brasil ele foi lançado em 2013 com preço inicial de R$139.950 e era oferecido em duas versões: a S e a S ALL4, de tração integral, que custava R$149.950. O seu motor era o 1.6 Turbo que desenvolvia 184cv de potência e torque de 24,5kgfm, sempre acoplado a um câmbio automático sequencial de 6 velocidades. Entre os itens de série era equipado com rodas aro 17 com pneus 205/55, freios ABS, controle de estabilidade, seis airbags, faróis de xênon e bluetooth, ar-condicionado digital, teto solar panorâmico com acionamento elétrico, som de alta fidelidade fabricado pela Harman Kardon, sistema multimídia com GPS, faróis bi-xenon e o sistema de conectividade MINI Connect, que permite parear um iPhone e explorar todas as funções do smartphone, além de oferecer suporte à diversos aplicativos vendidos nas lojas virtuais. Não chegou a emplacar 1.000 unidades nos três anos de mercado.


O adeus ou o até logo da Geely?
A Geely deixou o Brasil. A marca chinesa, dona da Volvo, chegou ao Brasil em Janeiro de 2014 prometendo muitas coisas, entre elas, ser a líder entre as chinesas. Prometeu a chegada de outros automóveis ao país, como o SUV EX7, o câmbio automático CVT do EC7 e o EC7 Hatch, que seriam lançados em 2015 e teriam sido prorrogados para 2016. Com pouco mais de dois anos de atuação no país, a marca se despede dos consumidores brasileiros por conta da alta do dólar e da consequente dificuldade de manter as operações. Soma-se a isso a situação do mercado, que afetou muito o desempenho da marca, que chegou no Brasil no início da crise. Dona da Volvo, a Geely oferecia o sedã EC7 por R$49.990 e o hatch GC2 por R$29.990, ambos bem completos e com design de personalidade. Ambos eram importados do Uruguai, onde eram montados em regime de CDK com peças importadas da China. Ao todo a marca emplacou no país 1.019 unidades, cifra muito aquém da meta inicial que previa a comercialização de 3.500 carros em dois anos. Em entrevista ao site UOL Carros, a Geely do Brasil confirmou a informação e disse que a decisão acontece em acordo com a matriz chinesa. Segundo a empresa, a saída é temporária e foi adotada por conta da dificuldade em se atuar no mercado com a alta do dólar. O grupo garante que "trabalha com prioridade" para retornar o mais breve possível. Segundo a Geely, as atividades da Geely Motors (garantia, serviços, revisões e fornecimentos de peças) estão sendo realizadas no Brasil normalmente e assim seguirão.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fiat confirma que o futuro interior dos seus carros terão inspiração no clássico Lingotto

Volkswagen apresenta as primeiras imagens teaser de um possível Golf GTI Edition 50

Ford tem desconto de R$ 17 mil para a Ranger; Maverick, Bronco Sport e Transit tem promoção

Toyota registra imagens de patente de câmbio manual que simula de 14 marchas no USPTO

BMW lança promoção adicional para iX1 e iX no Brasil até o próximo dia 31 de maio

MINI revela imagens teaser do desenvolvimento da condução com uso de óculos VR

BMW cogitou produzir 50 unidades da Z4 Touring Coupé Concept, mas desistiu do projeto

BMW revela as novas imagens teaser do M5 e M5 Touring, que vão ter mais de 700cv

Jaguar-Land Rover quer construir uma inédita fábrica de bateria para elétricos no Reino Unido

Chery reajusta o preço do Tiggo 5X em R$ 1.000 e Tiggo 7 Sport pode receber primeiro aumento