GAZ cobra Volkswagen AG por quebra de contrato na Rússia e pede US$ 348 milhões

GAZ Group entra com processo contra a VAG contra a saída do grupo alemão do mercado russo por quebra de contrato; executivo da Porsche quer ajudar Rússia 



A Volkswagen AG (VAG) confirmou que saiu da Rússia ano passado, junto com uma série de marcas que saíram do país a partir do momento que foi instaurado o embargo contra o país. Agora, a GAZ Group, Fábrica de Automóveis Gorky, entrou em uma ação judicial contra a VAG para reaver US$ 347,7 milhões em taxa atuais por quebra de contrato. Isso porque a Volkswagen tinha um contrato com a GAZ para a produção de veículos, de acordo com informações da Agência Reuters.

Com a decisão do governo russo em iniciar uma guerra contra a vizinha Ucrânia, a saída da Volkswagen se tornou algo bastante inevitável. De acordo com GAZ, a saída da Volkswagen da linha de produção colocou a empresa em risco financeiro, pedindo uma indenização no valor de US$ 191 milhões por conta da parada de produção em Nizhny Novgorod. Em contrapartida, a Volkswagen alega que só saiu da Rússia depois de finalizar mutuamente seus negócios com fornecedores, com a GAZ e com outros aspectos.

Ao mesmo tempo, a VAG confirmou que estaria em busca de um substituto para a produção continua no seu lugar, sem causar danos para a GAZ. Pouco tempo depois, Siegfried Wolf, Membro do Conselho de Supervisão da Porsche SE, que faz parte da VAG, confirmou que estaria conversando com o Presidente da Rússia, Vladimir Putin, para reanimar a indústria automotiva do país, depois que essa indústria sofreu um duro golpe de saída de mercado de várias marcas. De acordo com informações do jornal alemão Der Spiegel, Wolf destacou que há esforços de trazer a marca Volga de volta.

Segundo informações, a Volkswagen estaria interessada em oferecer modelos baseados na Skoda mas "completamente redesenhados externamente" para incorporar características clássicas de design do Volga. Seria necessário um investimento na casa dos 60 bilhões de rublos, cerca de US$ 735 milhões para uma produção de 270.000 unidades ao ano. Isso ainda geraria cerca de 12.000 empregos, o que Putin parecia estar de acordo. A operadora do projeto seria a PromAvtoKonsalt, que ajudaria no desenvolvimento dos novos veículos.

Por outro lado, a Volkswagen confirmou que não tinha conhecimento dessas informações e muito menos do seu conteúdo ‘irritante’ das declarações – que claramente devem ter enfurecido executivos do alto escalão da VAG. Apesar de nada estar definido, o Del Spiegel confirmou que há rumores de que a Schaeffler, um fornecedor automotivo, e a GAZ, estariam trabalhando secretamente nesse ponto – tudo sob comando secreto de Wolf.



Fotos: Volkswagen / divulgação | GAZ / divulgação

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alfa Romeo surpreende e confirma nome Milano para SUV subcompacto que estreia em abril

RAM reajusta os preços de Rampage, 1500, 2500 e 3500 no Brasil, em até R$ 5.000

Nio ET5 Touring é a primeira station wagon da marca; estreia na China de olho na Europa

Ford desenvolve um SUV elétrico de 7 lugares que será apresentado em meados de 2025

Fiat reajusta os preços da Toro em versões com motor T270, com cortes de até R$ 10.000

Chevrolet Camaro ganha séries especiais Collector's Edition e Garage 56 Edition nos EUA

Lamborghini comemora aniversário de 60 anos de Sant'Agata Bolognese e revela três séries

Nosso novo Peugeot 2008 será igual ao modelo europeu, recém reestilizado; terá motor T200

Ferrari apresenta a SF90 XX Stradale e Spider na Europa, com motor híbrido de 1.030cv

Toyota dá a entender que o Celica pode ressurgir como cupê esportivo criado pela GR