McMurtry apresenta oficialmente a versão de produção do Speirling, com motor de 1.013cv

McMurtry apresenta, durante o Festival de Goodwood, as pequenas evoluções do Speirling, que aparece em sua versão de produção e terá tiragem de 100 unidades



Depois de participar de alguns eventos nos últimos meses, a McMurtry apresentou oficialmente a versão de produção do seu primeiro esportivo, o compacto Speirling. A britânica apresentou a novidade com sua versão final depois de ter sido revelado como um protótipo, onde demonstrou sua capacidade quase igual a de um hiperesportivo, apesar da proposta ser bem menor no caso do Speirling. Com uma produção limitada, a novidade começa a ser produzida em meados de 2025 com um preço... caro, mas condizente com a proposta.

Criado para pistas, a novidade não poderá ser emplacada e rodar em vias públicas, mas é um ótimo brinquedo de final de semana. Em termos de design, estamos falando de um esportivo que quase não muda em relação ao protótipo. Super compacto, ele possui uma dianteira que tem os faróis dianteiros com um estilo de uma ampulheta (ou até mesmo de uma letra ‘i’, e uma fonte mais estilizada. Ele possui luzes diurnas (DRL) em LED, sendo duas faixas na parte superior, duas na parte inferior e duas barras horizontais na parte central. Entre os faróis fica um acabamento em fibra de carbono, com tom preto.

Nele, a McMurtry adicionou algumas entradas de ar, como é o caso de duas entradas de ar superiores, horizontais e duas entradas de ar inferiores. Na parte inferior do para-choque dianteiro, estamos diante de um esportivo que possui um splitter com uma faixa em branco. Acima desse acabamento que ocupa quase toda a porção do para-choque dianteiro fica o logotipo da McMurtry. Ainda visto de frente, a britânica apresentou um capô liso e com dois para-lamas dianteiros bem destacados e com saídas de ar na parte superior. Existem ainda saídas de ar ao estilo de brânquias próximo do capô e também no para-lama dianteiro.

Essas saídas de ar devem contribuir para o downforce do carro, assim como toda a engenharia de aerodinâmica. Feito para uma pessoa, o habitáculo lembra carros protótipos de Le Mans, com um estilo cúpula e com para-brisa que se conecta diretamente com os vidros laterais, ao ponto de parecer que estamos diante de uma mesma peça. Como é feito para um motorista, ele possui uma porta apenas no lado esquerdo da carroceria, com o piloto tendo uma condução centralizada. O carro ainda traz retrovisores com base no para-lama dianteiro. Em termos de vincos, além das saídas de ar, ele possui uma carroceria com alguns vincos.



Isso fica visível por conta de uma linha que nasce a partir do para-lama dianteiro e termina após a porta, com um desenho levemente decrescente, enquanto as linhas do capô definem o habitáculo do esportivo. A parte inferior da carroceria possui saias laterais em fibra de carbono com uma faixa em branco, enquanto o para-lama traseiro também possui saídas de ar na parte superior das rodas traseiras. Falando em rodas, o Speirling possui rodas de 18 polegadas, calçadas com pneus slik 270/65 R18 na dianteira e 300/68 R18 na traseira, com pneus Michelin Pilot Sport.

A McMurtry adicionou maçanetas na coluna B, embutidas, e uma área em preto que funciona como pega mão quando a porta estiver aberta. Caminhando para a traseira, o cupê possui um desenho que também é muito próximo da sua versão protótipo. O destaque fica por conta da dupla asa traseira, sendo um aerofólio vertical que se conecta com o aerofólio principal. Abaixo, ele possui uma área exposta a saídas de ar e as lanternas divididas em dois andares, com lentes circulares na parte superior e inferior, com luzes em LED. A parte inferior possui um difusor de ar com uma faixa em branco, assim como já acontece em toda a parte inferior da carroceria.

A McMurtry não revelou imagens do interior. Compacto, o Speirling é criado a partir de uma estrutura monocoque em fibra de carbono. Ele possui 3,450 metros de comprimento, 1,580 metro de largura e 1,020 metro de altura, ou seja, é bem compacto. Seu peso, por exemplo, é inferior a 1.000kg, o que para um elétrico é quase raridade, ainda mais por conta do desempenho que ele oferece. Mecanicamente, ele possui um motor elétrico que desenvolve 1.013cv, tendo uma velocidade máxima de 306km/h! Com tração traseira, ele é equipado com uma bateria de 60kWh, desenvolvida pela Molicel.

Ela permite que ele seja 100% carregado em menos de 20 minutos, quando plugado em uma estação de recarga rápida. Ele também é criado com pedais e volantes ajustáveis de acordo com o seu proprietário, permitindo ocupantes de até 2,00 metros de altura e pesando até 150kg. Apresentado em versão única, a Pure, o cupê possui todas as ferramentas para acessar as forças G sentidas no automobilismo de primeira linha, com curvas superiores a 3G que podem ser alcançadas inclusive em curvas mais fechadas. Em termos de uso, a McMurtry confirma que ele pode dar 10 voltas no circuito Silverstone National em ritmo recorde e depois carregar rapidamente em 20 minutos para voltar a funcionar.



Em relação ao protótipo, o modelo de produção trouxe um sistema de ventilador totalmente novo, com um aumento de 15% na eficiência e uma redução de 14%, além de uma melhora no fluxo de ar. Esse sistema de ventilador não tem nada a ver com sistema de ar-condicionado, mas sim a duas turbinas instaladas atrás do cockpit. Elas sugam o ar sobre o carro e sopram por saídas de ventilação no painel traseiro da carroceria, criando uma pressão abaixo do carro e faz com que cole no chão. As turbinas fazem com que elas exerçam um downforce de 2.250kg, ou seja, é mais que o dobro do próprio carro, quando mesmo estiver a 240km/h.

Ele ainda conseguiu emagrecer seu peso em 15% nas saias laterais, um câmbio automático com melhoria das trocas de marchas em 0,5% e uma nova bateria que possui gerenciamento térmico aprimorado com uma economia de peso de 3% e uma economia de massa em 15,5% no invólucro da bateria. O chassi também foi revisado e está 4% mais leve, assim como uma arquitetura elétrica que economia 35% em componentes com um novo chicote elétrico. Ainda falando sobre redução de peso, as rodas dianteiras estão 2% mais leves e as traseiras conseguiram ficar 12% mais leves, enquanto o freio teve redução de massa em 2,5%.

A McMurtry confirma também uma suspensão e carroceria reprojetadas, caixa de câmbio 17% mais leve e uma direção hidráulica 20% mais leve, além de ser equipado opcionalmente com ABS. A marca comenta que o cupê é elegível para competições GT1 Sports Club, que é um programa exclusivo de condução de hipercarros desenvolvidos pelo Fanatec GT World Challenge. Ao todo, serão 100 unidades produzidas, que começam a ser fabricadas a partir de 2025. Ainda em 2024, a McMurtry confirmou que vai revelar mais informações sobre a novidade. Cada uma das unidades terão um preço de 820.000 libras esterlinas. 



Fotos: McMurtry / divulgação

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fiat confirma que o futuro interior dos seus carros terão inspiração no clássico Lingotto

Chevrolet terá Feirão de Fábrica neste final de semana em São Caetano do Sul e promoções

BMW lança novo Série 5 no Brasil, com versão híbrida 530e, que estreia por R$ 574.950

Porsche apresenta seu novo logotipo para comemorar os 75 anos de fundação da marca

Toyota investe mais R$ 160 milhões na fábrica de Sorocaba (SP) com novo Centro de Peças

Hongqi revela oficialmente a segunda geração do HS3 na China, com motor de até 252cv

BYD tem promoção 'DiaE' neste sábado, 22/06, com Dolphin por R$ 135.300, com bônus

BYD King é o batismo global do Destroyer 05 e chega para colocar Toyota Corolla na mira

GM confirma que carros compactos elétricos e lucrativos vão demorar um pouco mais

Toyota apresenta atualização para o catálogo de versões da Hilux, com fim da versão SRX