VAG critica decisão da Porsche em apostar em combustível sintético como 'perda de tempo'

“Em 2035, acabarão de qualquer maneira”, diz CEO da Volkswagen AG sobre a Porsche desenvolver e produzir combustíveis sintéticos para seus superesportivos



Desde que a Porsche anunciou que ia desenvolver combustíveis sintéticos como uma forma de prolongar os motores a combustão em seu catálogo, muita coisa aconteceu. A marca alemã começou a produzir esse combustível não muito distante de nós, no Chile, mais precisamente em Punta Arenas. No entanto essa decisão parece não ter agradado a todos dentro da Volkswagen AG (VAG). De acordo com entrevista, Thomas Schäfer, CEO do grupo alemão, é um destes descontentes. O executivo deu a entender que a aposta seria perda de tempo.

O interesse pelos combustíveis sintéticos foi despertado também na Lamborghini, que pode acabar entrando na jogada também. Em entrevista ao Automotive News Europe, Schäfer deixou bem claro que não acredita que essa seja uma aposta racional. “Isso é ruído desnecessário do meu ponto de vista. Em 2035, [os motores de combustão] acabarão de qualquer maneira. Dissemos que até 2033 terminaríamos. Até 2030, planeamos que 80% dos nossos veículos vendidos na Europa sejam elétricos a bateria, então por que gastar uma fortuna em tecnologia antiga que não traz realmente nenhum benefício?”, ponderou.

O executivo ainda descartou os rumores de que essa ideia teria partido de Oliver Blume, CEO da Porsche. “Não é o Sr. Blume que está por trás disso. Eu garanto isso. Esta discussão em torno dos e-combustíveis é amplamente mal compreendida. Têm um papel a desempenhar nas frotas existentes, mas não substituirão os VE. Isso é um absurdo completo. Veja a física da produção de combustíveis eletrônicos. Já não temos energia suficiente, então porquê desperdiçá-la em combustíveis eletrônicos?”, acrescentou Schäfer na entrevista.

Quando iniciou a produção do combustível no Chile, a Porsche confirmou que a opção ajudaria na redução de emissões dos veículos a combustão atuais. “A Porsche está comprometida com um caminho duplo: mobilidade elétrica e eFuels como tecnologia complementar. A utilização de eFuels reduz as emissões de CO2. Olhando para todo o setor de tráfego, a produção industrial de combustíveis sintéticos deve continuar avançando em todo o mundo. Com a planta piloto de eFuels, a Porsche está desempenhando um papel de liderança neste desenvolvimento”, disse na época Barbara Frenkel, Membro do Conselho Executivo de Compras da Porsche AG.

Além de abastecer veículos de competição da marca, a produção de veículos sintéticos poderia ser comercializada para os consumidores que desejam que seus veículos possam ser menos poluentes. Nos primeiros anos da produção chilena, a Porsche prevê a produção de eFuel com cerca de 130.000 litros por ano do combustível sintético.



Fotos: Porsche / divulgação | VAG / divulgação

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alfa Romeo surpreende e confirma nome Milano para SUV subcompacto que estreia em abril

RAM reajusta os preços de Rampage, 1500, 2500 e 3500 no Brasil, em até R$ 5.000

Lamborghini comemora aniversário de 60 anos de Sant'Agata Bolognese e revela três séries

Ford desenvolve um SUV elétrico de 7 lugares que será apresentado em meados de 2025

Fiat reajusta os preços da Toro em versões com motor T270, com cortes de até R$ 10.000

Chevrolet Camaro ganha séries especiais Collector's Edition e Garage 56 Edition nos EUA

Nio ET5 Touring é a primeira station wagon da marca; estreia na China de olho na Europa

Nosso novo Peugeot 2008 será igual ao modelo europeu, recém reestilizado; terá motor T200

Ferrari apresenta a SF90 XX Stradale e Spider na Europa, com motor híbrido de 1.030cv

Toyota dá a entender que o Celica pode ressurgir como cupê esportivo criado pela GR