Adeus, 2014! Confira os carros que deixaram de ser produzidos ou importados no Brasil este ano!


2014 foi um ano de poucas mortes no Brasil. Algumas já esperadas, outras que pegou a todos de surpresa, o mercado brasileiro em 2014 não teve um ano muito bom nas vendas, e para alguns foi até melhor partir desta para uma melhor. Comparado ao ano de 2013, o Brasil perdeu menos carros, o que fez o mercado crescer ainda mais, já que de lançamentos foram vários. Confira abaixo os carros que deixaram o país este ano.


Chery Cielo Hatch
Lançado no Brasil em 2010, o Cielo Hatch era um dos chineses mais belos do mercado. Chegou ao país como uma opção a Ford New Fiesta Hatch, Fiat Punto entre outros. Entre seus atributos estavam o motor 1.6 16v a gasolina que desenvolvia 119cv de potência e vinha muito bem equipado. Nunca chegou a fazer sucesso e há quem ache que ele volte ao mercado com motor 2.0 16v e câmbio automático. É muito difícil.


Chery Cielo Sedan
Assim como o Cielo Hatch, o Cielo Sedan chegou ao mercada em 2010, com um visual menos ousado que o hatch, mas tinha suas qualidades e poderia ter feito sucesso se a Chery tivesse investido em marketing, assim como aconteceu com QQ e Tiggo. Tinha o mesmo motor 1.6 16v a gasolina do hatch e vende sempre menos que o mesmo. Se acostumou a ser o lanterna do seu segmento, enquanto via o Honda City desbancando todos seus rivais.




Chery S18
Esse foi um caso de MI, "Mico Total", por parte da Chery. Em seu lançamento o S18 chegou ao mercado como o "primeiro chinês flex do Brasil", mas o recall que ganhou logo em seguida do lançamento fez a Chery parar as vendas para sanar o problemas de todas as unidades que chegaram da China. Algum tempo depois voltou a ser comercializado, mas na gama da Chery não tinha espaço. Competiu com o irmão Face para um lugar ao sol e ambos acabaram se prejudicando. Resultado? O S18 saiu de linha um ano e meio depois de ter sido lançado no Brasil e cerca de 1.500 unidades foram comercializadas.


Hyundai Sonata
O Sonata foi lançado em 2010 e causou o maior furor no mercado brasileiro ao ostentar o novo padrão visual da marca coreana, o "Escultura Fluída" e conseguiu fazer sucesso até mesmo sobre o maior rival, o Ford Fusion. Chegou a vender até mesmo, 1.000 unidades em um único mês, feito que só o Azera tinha conseguido. Os tempos passaram, os rivais foram se renovando, a linha Hyundai aumentava os preços do Elantra após ganhar motor Flex e o Azera, que tinha preço muito alto, conseguiu ter um abate no preço. Resolvido, o Sonata começou a encalhar nas concessionárias devido a proximidade nos preços de Elantra e Azera. Tinha preço de R$106.000, enquanto o Azera, com motor muito maior, era comercializado por R$112.000. Saiu do mercado sem deixar sucessor.


Ford Fiesta Hatch RoCam
Este já era certo que daria adeus ao mercado. Sabendo da vinda da nova geração do Ka, ficou claro quem deveria dar adeus no mercado brasileiro: o Fiesta RoCam. Cumprindo bem seu papel desde 2002, quando inaugurou a fábrica de Camaçari (BA), o modelo passou por dois face-lifts, sendo um em 2007 e outro em 2010. Em 2013 e 2014 auxiliou e muito a Ford para não perder terreno, já que era vendido com boas promoções, onde o 1.6 era vendido com preços próximos dos R$30.000, enquanto o 1.0 era vendido na casa dos R$26.000, fazendo muitas unidades a serem vendidas. Porém o Ka está aí e dando um banho de vendas no que o Fiesta RoCam vendia.


Ford Fiesta Sedan RoCam
Ele já estava um pouco defasado e foi substituído pelo Ka+. Assim como o hatch, era vendido com promoções, o que fez ele resistir bem ao tempo e aos rivais, que foram constantes entre o ano passado e 2014. Porém o peso da idade caiu sobre ele e como já estava "na cara" que a Ford lançaria um inédito sedan do Ka, o modelo acabou deixando de ser produzido em Agosto, depois de ter sido lançado em 2004 no Brasil, completando 10 anos de mercado. Assim como o Hatch RoCam, o Fiesta Sedan RoCam foi substituído pelo New Fiesta Sedan, que cresceu na vida.


Chevrolet Agile
Apesar de todos esperarem seu fim, a Chevrolet fez uma surpresa para todos os consumidores ao tirar de linha o Agile, um dos seus carros mais vendidos do mercado nos seus primeiros anos de vida. Lançado em 2009, o modelo recebeu muita crítica ao receber um frente medonha, com faróis e grades desproporcionais ao carro, além de ter recebido uma plataforma do Corsa de 1994. Na época, foi a saída para a Chevrolet recuperar dinheiro perdido na crise de 2008. Em 2013 ele recebeu um face-lift, o que fez todos pensarem que ele sairia de linha entre 2016 ou 2017. Saiu de linha após o Onix abocanhar todos seus consumidores, acabou amargando nas vendas.


Chevrolet Sonic Hatch
Este pegou a todos de surpresa. Confesso que eu, Luis, fiquei muito triste quando recebi a notícia que o Sonic havia deixado o mercado. Um carro lançado em 2012, sair de cena dois anos depois. O que eu gostava no Sonic Hatch era a sua personalidade, o visual diferente graças aos faróis e lanternas, que não recebiam máscara, deixando os projetores a mostra. Não conseguiu fazer sucesso devido ao seu preço, que chegou a custar R$50.000 na configuração básica. O culpado pela sua morte, assim como o Agile, foi o Onix, que abocanhou as vendas de ambos irmãos. Além disso, a Chevrolet precisava de mais cotas para trazer o Tracker ao Brasil, já que ambos vinham do México. Há chances dele voltar em 2015 ou 2016, possivelmente já nacional.


Chevrolet Sonic Sedan
Assim como o Sonic Hatch, o Sonic Sedan deixou prematuramente o mercado brasileiro, fazendo algumas ficarem tristes com sua partida. Diferente do Hatch, o Sonic Sedan tinha visual mais conservador, mas mesmo assim conseguia ser bonito. Competiu na Stock Car entre 2013 e 2014 ao lado do Peugeot 408, mas mesmo com este "marketing" o modelo não vingou. Nos últimos meses de vida no Brasil, ele chegou a ser vendido apenas na versão topo de linha, a LTZ com câmbio automático de 6 velocidades, que custava quase R$60.000 (!).


Peugeot 207 Hoggar
A picapinha francesa da Peugeot, a 207 Hoggar nunca foi sinônimo de sucesso. Ainda mais quando se entra em um segmento chefiado por modelos como Fiat Strada, Volkswagen Saveiro e Chevrolet Montana, modelos que possuem nome no mercado. O insucesso da 207 Hoggar está em vários fatores: o primeiro deles foi o marketing, muito fraco que praticamente não mostrava as qualidades do carro, seguido pela má-fama do pós-venda e pelo fraco motor 1.4 8v. Por outro lado, tinha uma gigantesca caçamba, mas poderia ter trazido algo inovador, como um câmbio automático (poderia até mesmo ser o AL4, de 4 velocidades) ou até mesmo, uma tração 4x4 para atrair o público.


Peugeot 207 Passion/Sedan
Lançado 2 meses depois do 207, o sedan do hatch compacto chegou com visual que causou muita estranheza no consumidor devido a sua traseira bem estranha. De fato, nestes 6 anos de vida, a Peugeot errou em nunca ter mexido no visual da família 207, em especial ao 207 Passion, vide 207 Sedan, que ficou com visual antigo nos anos seguintes, quando recebeu novos rivais mais modernos. Este anos foram pouco mais de 1.000 unidades emplacadas, e pouco mais de 80.000 unidades comercializadas nestes 6 anos. Comprado aos principais rivais, é muito pouco.


Citroën C4 Hatch
Apesar do visual externo e interno inovador (para 2006), o C4 Hatch atrasou e chegou apenas 3 anos depois da Europa, em 2009, quando o C4 Pallas já fazia um certo sucesso. Nunca fez sucesso nas vendas, e também nunca mudou de visual. Ultimamente estava sendo vendido por cerca de R$49.900, preços referidos a versão com motor 2.0 16v, para esvaziar os estoques. Pena que nunca conseguiu um lugar ao sol. Também pudera. Nos últimos 3 anos praticamente todos os rivais mudaram, enquanto ele ficou obsoleto no mercado.


Peugeot 508
Lançado em 2012, o Peugeot 508 chegou ao mercado com a intenção de ser o rival de Ford Fusion, Kia Optima, Hyundai Sonata entre outros modelos. Após chegar com o preço de R$119.900, a Peugeot decidiu reduzir esse preço para R$109.900 e logo em seguida para R$99.900, preço que manteve boas vendas do sedan grande francês, que emplacava mais de 40 unidades mensais. Após alguns meses vendendo bem, a Peugeot decidiu aumentar o preço para R$111.900 e as vendas, despencaram. Tanto, que em todo o ano de 2014, desde Janeiro, foram vendidas 66 unidades do francês. Recentemente renovado com um face-lift na Europa, o que tudo indica é o 508 não volte mais ao Brasil. Desde seu lançamento, foram vendidas pouco menos de 300 unidades.


Volkswagen Polo Hatch
Ensaiando sua saída do mercado desde 2013, o Polo não iria conseguir resistir por muito tempo. Isso porque ele nunca conseguiu fazer sucesso no mercado. Com 12 anos de trajetória no Brasil, as únicas mudanças no visual do hatch foram em 2007 (a mais brusca delas) e em 2011, quando ele recebeu um leve face-lift. Apesar de ser um dos melhores carros em dirigibilidade, qualidade construtiva e acerto do câmbio, o Polo não cativou o consumidor, que na época via o Fox como uma opção melhor, além do best-seller Gol, que ganhava motor Flex. Aliás, é o Fox que deve substituir o Polo Hatch no mercado brasileiro, quando ganhar uma nova geração em 2017.


Volkswagen Polo Sedan
Assim como o Polo Hatch, o Polo Sedan foi outro que deixou o mercado, porém, sem um substituto. Sem fazer sucesso desde 2002, o Polo Sedan sempre foi um carro elogiado pelas mesmas características do Polo Hatch, acrescentando o o bom espaço do porta-malas. Foi muito usado como Táxi, além da versão com motor 2.0 8v Flex, que fazia do Polo Sedan um sedan esperto, mas mesmo assim viu rivais mais novos o passarem. Agora na gama da Volkswagen há um enorme "rombo" entre o Voyage e o Jetta, que pode ser preenchido em 2016 com a tão esperada vinda do Santana.


Mitsubishi Pajero TR4
Por essa, ninguém esperava! O Pajero TR4 não deve começar o ano de 2015 sendo fabricada. O modelo, fabricado no Brasil desde 2002 e vendido desde Junho de 1998, é derivado do Pajero iO, que chegou ao mercado com a missão de ser um modelo pequeno e com boas aptidões no off-road, sendo que era o único nesta faixa de preço que oferecida tração 4x2, 4x4 on-road, 4x4 off-road e 4x4 reduzida. Estima-se que desde 2002, 100.000 unidades foram fabricas no Catalão. Ganhou as únicas mudanças em 2007 e em 2010, mas as mudanças não conseguiram tirar o peso da idade. Sai do mercado sem deixar substituto.


Peugeot 207 Hatch
Saiu a notícia ontem que o francês deixava o mercado, porém ele não é mais produzido desde Junho deste ano, dando a falsa impressão que ele não tinha saído de linha. Isso porque o modelo tinha muitas unidades em estoque, o que fez a marca adiar o pronunciamento de sua saída de linha. Com muitas unidades nos pátios, a Peugeot esperou mais dois meses para diminuir o estoque do hatch para que ele finalmente fosse dessa para uma melhor. Bola fora desde quando foi lançado, em 2008, o nosso 207 Hatch nada mais era que um 206 com um remendo, ganhando o apelido de "206,5". O único parentesco que o nosso 207 tinha com o europeu (que foi totalmente novo) era a dianteira, com visual bem parecido. A Peugeot corrigiu o erro em 2013, quando lançou o 208, o mesmo carro que é vendido na Europa e é seu sucessor natural.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fiat confirma que o futuro interior dos seus carros terão inspiração no clássico Lingotto

Volkswagen apresenta as primeiras imagens teaser de um possível Golf GTI Edition 50

Ford tem desconto de R$ 17 mil para a Ranger; Maverick, Bronco Sport e Transit tem promoção

Toyota registra imagens de patente de câmbio manual que simula de 14 marchas no USPTO

BMW lança promoção adicional para iX1 e iX no Brasil até o próximo dia 31 de maio

BMW cogitou produzir 50 unidades da Z4 Touring Coupé Concept, mas desistiu do projeto

MINI revela imagens teaser do desenvolvimento da condução com uso de óculos VR

Chery reajusta o preço do Tiggo 5X em R$ 1.000 e Tiggo 7 Sport pode receber primeiro aumento

GWM lança promoção para o Ora 03, com Pacote Tranquilidade e condições de financiamento

Peugeot apresenta a reestilização do 208 na Europa, que ganha opção de motor híbrido