CAuto #77: Volkswagen emplaca nome Polo em sua terceira tentativa no Brasil


O nome “Polo” é bastante conhecido do consumidor brasileiro. Assim como na Europa, ele ficou associado à imagem de um Golf mais compacto, com alguma semelhança no seu design e na sua segurança. Aqui, o nome voltou à cena em 2017 e em 2018 voltou a ter uma família com a chegada do seu sedã, que foi rebatizado de um simplório adjunto “Sedan” para ser conhecido como o independente Virtus. E apenas nessa terceira tentativa que a Volkswagen conseguiu emplacar o nome Polo no mercado brasileiro. Voltamos no tempo. Em dezembro de 1996, a Volkswagen lançava no Brasil o Polo Classic, um sedã que era importado da Argentina. O sedã chegava num momento onde a Volkswagen havia tirado de linha Voyage e Logus de linha. Tudo se encaminhava para substituir e representar os dois modelos no nosso mercado, mas o fato é que o Polo Classic nunca empolgou. Apesar de ser competitivo, modelos como Ford Escort Sedan (na época, mais potente) e alguns meses depois chegaria o Fiat Siena. Sua lista de itens de série e opcionais foram criticados na época. A mudança veio em 2000 e linha 2001, mas um tanto tarde. Saiu de cena em 2002 já com um substituto engatilhado. A nova geração da linha Polo chegava ao mercado nacional nas carrocerias hatch e sedã. A meta sempre foi ficar acima do Gol, como uma opção mais sofisticada. O início conseguiu vender bem, com média de 2.500 a 3.500 unidades mensais do hatch e sedã. Mas o preço do Polo no nosso mercado era muito alto. Entre os motivos estavam a sua consistente construção, quase igual ao do modelo europeu, que elevava seus custos de produção e consequentemente, seu preço. 


Não era o que consumidor queria, já que ainda estávamos na era do carro popular (e barato). Passou por mudanças em 2006 e 2014, nenhuma sem muito efeito. Saiu de cena no início de 2016. Até que chegamos ao passado presente. No final de 2016, falávamos de uma nova geração de Gol e Voyage, que seriam produzidas no Brasil dentro de alguns meses. O projeto do novo Polo seria chamado de Gol no nosso mercado, se não fosse as pesquisas de público e a Volkswagen, que julgara o nome “Gol” a um carro mais compacto e popular. A solução foi adotar novos nomes. Assim, o Polo voltou ao nosso mercado, como intermediário entre o Gol e o Golf (e criou-se uma confusão entre up!, Gol, Fox, Polo e Golf). E mesmo assim, acertou em cheio. O Polo chegou com uma moderna plataforma modular, motores modernos e itens de série interessantes para o consumidor atual, que já busca um carro mais seguro, espaçoso e equipado. Tanto, que a versão Highline se tornou um sucesso de vendas, seja pela lista de itens de série (e o quadro de instrumentos digital, que gerou filas de espera de 90 dias) como pelo motor 1.0 TSI, associado ao câmbio automático de 6 velocidades. Quando comparado aos seus principais rivais, o Polo se destaca como um novo ponto de referência do segmento de compactos, assim como o Hyundai HB20 se tornou em 2012. O sedã do Polo surgiu em janeiro de 2018 com o nome Virtus e também segue o mesmo caminho do hatch. Hoje, ambos conseguem vender juntos uma média entre 8 a 10 mil unidades mensais, números que o colocam à frente da dupla Gol/Voyage. Desde seu lançamento, em setembro do ano passado (vendas iniciadas no fim de outubro), o Polo já vendeu 43.670 unidades contra pouco mais de 17 mil unidades do Virtus, que começou a ser vendido oficialmente em fevereiro de 2018. Nesse ponto, a Volkswagen enfim acertou. Mas é preciso ter cuidado. A elevação dos preços da dupla pode fazer com que as vendas tendam a cair e ficar abaixo de uma patamar atual. Seria loucura tanta luta por um lugar ao sol ser desperdiçada.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fiat confirma que o futuro interior dos seus carros terão inspiração no clássico Lingotto

Ford traz novo lote da Ranger Raptor com mais equipamentos de série e custa R$ 466.500

Jaguar-Land Rover quer construir uma inédita fábrica de bateria para elétricos no Reino Unido

BMW revela as novas imagens teaser do M5 e M5 Touring, que vão ter mais de 700cv

Suzuki Invicto aparece na Índia como rebadge da Toyota Innova e espaço para até oito

Toyota lança o RAV4 com motor híbrido plug-in (PHEV) de 306cv no Brasil, por R$ 399.990

RAM reajusta os preços da Classic e diminui os preços da picape em até R$ 35.000

Volkswagen T-Cross com reestilização chega ainda neste primeiro semestre de 2024

Nio revela primeiro teaser da sua nova marca, a Onvo, que estreia com o SUV elétrico L60

Galaxy apresenta na China o seu sedã L6, que estreia como um PHEV com motor de 390cv