Longo trabalho de reestruturação de portfólio e imagem, diz executivo sobre a Alfa Romeo


A Alfa Romeo terá um árduo caminho pela frente em seu plano estratégico. Além de melhorar a sua imagem de uma marca com os clientes menos satisfeitos de acordo com uma pesquisa feita nos Estados Unidos pela J.D. Power, a marca ainda tem que lidar com o fato de um lineup reduzido e com vendas no mesmo patamar da Lancia, que vende apenas o envelhecido Ypsilon e apenas na Itália. O Tonale foi a primeira aposta dessa mudança e a marca ainda prevê um plano de eletrificação chegando. É muita coisa só. E a Alfa Romeo quer resgatar seu prestígio. Para isso, Damian Dally, Chefe da Alfa Romeo no Reino Unido, disse que em entrevista ao Autocar de que a primeira meta é dobrar as vendas até o final de 2023. Ao mesmo tempo, a italiana terá o cuidado de manter o status de uma “marca de emoção para uma marca racional”. Com o Tonale começando a ser vendido neste mês na Europa e um SUV compacto chamado de Brennero chegando em meados de 2024 (sendo o primeiro carro puramente elétrico da Alfa Romeo), a Alfa Romeo tem a missão de tornar todos seus carros elétricos até 2027, o que inclui novas gerações de Giulia e Stelvio. Nesses anos, a Alfa ainda quer chamar mais atenção de famílias e mulheres. “Este é o desafio para a Alfa, pois somos vistos como uma marca esportiva. Acho que precisamos espalhar a história da Alfa para um público mais amplo, mantendo a pureza do que fazemos”, disse Dally. 



Apesar da ascensão dos SUVs, a marca não deixará de atuar no segmento de sedãs, onde sempre esteve. “Os sedãs são parte do que a Alfa Romeo sempre fez. O mercado pode estar se afastando dos sedãs, mas ainda acreditamos neles. Mas também queremos entrar nos segmentos de volume, primeiro com o Tonale. Alfa Romeo é esportividade. É design italiano. E é a isso que precisamos ser fiéis. Mesmo que as transportadoras se tornem populares novamente, não nos vejo entrando nesse mercado. Isso nunca funcionará [para nós].", disse Dally. Além disso, esportivos também estão em análise. A marca quer voltar a ter um carro de dois lugares, algo que não tem desde o fim do 4C. “Não imediatamente, pois são segmentos pequenos, mas são carros que tenho certeza que todos adorariam ver a Alfa [produzir novamente]. Vamos ter um modelo de negócios sustentável, vamos entrar nos segmentos de volume, crescer nosso negócio e então podemos sonhar novamente.”, complementa. Atuando numa faixa de preços de até 150 mil euros, Dally ainda destaca que tem muita coisas incríveis vindo por aí, entrando em segmentos de grande volume antes de voltar a ter carros de produção mais limitada. Um desses modelos será um carro compacto e esportivo, possivelmente substituto do MiTo. “A marca tem um histórico de venda de carros esportivos compactos, como o Alfasud, e é uma área interessante do mercado que é de alto volume uma oferta muito mais ampla.", disse o executivo, ou seja, existe uma chance de um sucessor, nem que seja espiritual. Para mudar sua imagem nos países onde atua, a Alfa Romeo ampliou para cinco anos a garantia dos seus carros como primeiro passo na melhora de imagem. 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fiat confirma que o futuro interior dos seus carros terão inspiração no clássico Lingotto

Chevrolet lança a nova S10 no Brasil, que traz atualizações importantes e parte de R$ 247.860

Kia confirma a vinda do EV9 ao Brasil e define estreia para o primeiro semestre de 2024

Tank registra novas imagens de patente do 700 Hi4-T no MIIT e confirma uso de motor de 517cv

Eccentrica apresenta o Lamborghini Diablo remasterizado que agora desenvolve 550cv

Fiat Titano vai virar RAM 1200 no México, antecipa teaser; picape ganhará quarto logotipo

GWM registra imagens de patente do Veyron na China, que pode ser da marca Haval ou da Sar

Mercedes-Benz lança o Classe G 63 AMG Grand Edition no Brasil, por caros R$ 2.247.900

Volkswagen lança Polo Robust, versão voltada ao agronegócio, que chega por R$ 89.290

GWM adiciona caminhões elétricos para fazer entregas de peças para concessionárias