EUA: sedãs devem voltar a ter espaço no mercado, dizem pesquisas e executivo da GM

Executivo da GM confirma que sedãs vão retornar aos lares dos consumidores, enquanto segmento demonstra reação perante os utilitários esportivos



Enquanto uma série de marcas abandonou por completo o segmento de sedãs, algumas outras mantiveram alguns modelos, mas acabou eliminando outros. Houve muitos casos nos últimos anos, em favor do aceito dos utilitários esportivos frente aos modelos três-volumes, o que levou a tais decisões. É o caso da General Motors (GM), por exemplo, que eliminou o Cruze e o Impala nos Estados Unidos, enquanto a Buick matou seus sedãs na América do Norte – decisão similar ao que a Ford e a Lincoln fizeram.

No entanto, há estudos que mostram que o segmento de sedãs ainda não está de lado. De acordo com estudos do Automotive News, o segmento vem demonstrando sinais de retomada nos Estados Unidos. Por lá, o site fez um estudo com o seu Automotive News Research & Data Center, que analisou as vendas de sedãs, hatchs, cupês, conversíveis, esportivos e superesportivos no primeiro trimestre de 2023. Todos esses segmentos alcançaram uma participação de mercado de 21,4%, enquanto esses mesmos segmentos tiveram uma participação de mercado de 19,6% no primeiro trimestre de 2019.

Apesar do avanço tímido, esse é o primeiro aumento de participação destes tipos de veículos desde 2002, quando seus percentuais de vendas foram diminuindo de acordo com o avanço dos SUVs e picapes. Especialistas acreditam que o mercado chegou ao seu ponto de estagnação, com o platô que os SUVs atingiram nos EUA, onde respondem por 60% das vendas. "Parece que estamos nos aproximando de algum tipo de limite natural, onde os SUVs são cerca de 60% do mercado, as picapes, vans e caminhões são cerca de 20%, e os carros de passeio são cerca de 20%. Estamos meio que chegando a esse ponto de estagnação", disse Tyson Jominy, Vice-Presidente de Dados e Análises da J.D. Power.

Algumas marcas confirmaram que não vão renunciar à sua participação no segmento de sedãs. Um dos casos é a Hyundai, que vende o médio Elantra e o grande Sonata. Lá, as vendas de ambos cresceram 47% a 87%, respectivamente, neste primeiro trimestre de 2023 do estudo. Também recentemente, o designer australiano Mike Simcoe, disse em entrevista que os sedãs vão voltar ao seu ápice. Hoje Vice-Presidente Mundial de Design da GM, Simcoe disse que os sedãs precisam ter um aspecto 'baunilha' para serem mais 'sexy' ou 'de sucesso' novamente. “A indústria inevitavelmente voltará aos sedãs, desde que sejam elegantes e seus vizinhos admirem.”, disse.

Uma outra pesquisa feita pela Nissan disse que 80% dos millenials (nascidos entre 1980 a 1999), que não possuem um sedã, disseram que cogitam a compra de um no futuro, ou seja, ainda há uma esperança do segmento ter uma retomada.



Fotos: Chevrolet / divulgação | Buick / divulgação

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fiat confirma que o futuro interior dos seus carros terão inspiração no clássico Lingotto

Chevrolet lança a nova S10 no Brasil, que traz atualizações importantes e parte de R$ 247.860

Kia confirma a vinda do EV9 ao Brasil e define estreia para o primeiro semestre de 2024

Tank registra novas imagens de patente do 700 Hi4-T no MIIT e confirma uso de motor de 517cv

Eccentrica apresenta o Lamborghini Diablo remasterizado que agora desenvolve 550cv

Mercedes-Benz lança o Classe G 63 AMG Grand Edition no Brasil, por caros R$ 2.247.900

Fiat Titano vai virar RAM 1200 no México, antecipa teaser; picape ganhará quarto logotipo

GWM registra imagens de patente do Veyron na China, que pode ser da marca Haval ou da Sar

Volkswagen lança Polo Robust, versão voltada ao agronegócio, que chega por R$ 89.290

GWM adiciona caminhões elétricos para fazer entregas de peças para concessionárias