Letin entra com um pedido de falência na China após ter vários problemas judiciais

Letin também entra com pedido de falência na China, depois da Niutron e da Hengchi; marca novata vendia apenas o hatch subcompacto chamado Mango



A crescente economia chinesa e o aprendizado fizeram com que a indústria automotiva da China desse um salto nos últimos anos, seja em termos de qualidade como também em termos de autenticidade, o que sempre foi um problema com a série de clones que surgiram por lá. No entanto, ao mesmo tempo que surgem muitas marcas na China, algumas aventureiras não encontram espaço – assim como em vários mercados. E por lá não seria diferente. Depois da Niutron e da Hengchi, chega a vez da Letin.

Após apresentar o seu hatch subcompacto batizado de Mango em 2021, a Letin atingiu 30.000 unidades vendidas, mas enfrentou uma série de problemas com o seu carro, por ser uma marca novata que ainda precisa aprender a fazer carros. Apesar de ser fundada em 2008, a empresa ganhou mais destaque recentemente. Mas antes, a empresa atuava em um mercado chamado LSEV (Low Speed Electric Vehicle), de carros elétricos de uso indoor, onde fez muito sucesso. De baixa qualidade e segurança, as fabricantes foram obrigadas a desenvolver veículos convencionais – e mais seguros.

Em 2019, a empresa apresentou os elétricos i3, i5 e i9, sendo um hatch subcompacto, um sedã compacto e um SUV, que tiveram vida bem curta: duraram até 2020. Em abril de 2021 a marca trouxe o Mango, o compacto das imagens, que foi desenhado pelo estúdio de design Pininfarina. Os problemas vieram depois, quando a marca lançou o Mango com defeitos de fabricação, apesar do sucesso que ele fez. Os anos de 2022 e 2023 foram de muitos processos que a marca sofreu por conta dos defeitos, além do aumento do preço do lítio que afetou a proposta do Mango de ser um elétrico acessível.

No início do ano passado, a Letin foi julgada e responsabilizada a pagar 40,93 milhões de yuans em execução no Tribunal de Changle, província de Shandong. O rápido endividamento liquidou parte do investimento de 3,2 bilhões de yuans que recebeu de investimentos em novembro de 2022, além de uma série de outros custos que a marca teve no período. O Mango era vendido por 29.800 a 54.900 yuans e em cinco versões disponíveis para o carro. O subcompacto tinha 3,62 metros de comprimento, 2,44 metros entre os eixos, 1,61 metro de largura e motores elétricos de 34cv ou 46cv, com três opções de baterias.

A primeira tinha 11,52kWh que oferece autonomia de 130km, 17,28kWh com autonomia de 185km e a bateria de 29,44kWh, com autonomia de 330km. Essa última opção de bateria vinha com um motor elétrico de 46cv, sendo as duas primeiras opções com motor de 34cv.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fiat confirma que o futuro interior dos seus carros terão inspiração no clássico Lingotto

Chevrolet lança a nova S10 no Brasil, que traz atualizações importantes e parte de R$ 247.860

Kia confirma a vinda do EV9 ao Brasil e define estreia para o primeiro semestre de 2024

Tank registra novas imagens de patente do 700 Hi4-T no MIIT e confirma uso de motor de 517cv

Eccentrica apresenta o Lamborghini Diablo remasterizado que agora desenvolve 550cv

Mercedes-Benz lança o Classe G 63 AMG Grand Edition no Brasil, por caros R$ 2.247.900

Fiat Titano vai virar RAM 1200 no México, antecipa teaser; picape ganhará quarto logotipo

GWM registra imagens de patente do Veyron na China, que pode ser da marca Haval ou da Sar

Volkswagen lança Polo Robust, versão voltada ao agronegócio, que chega por R$ 89.290

GWM adiciona caminhões elétricos para fazer entregas de peças para concessionárias